Acidentes de Aviação

Acidentes rodoviários subiram nos primeiros cinco meses do ano e mataram 182 pessoas

O número de acidentes nas estradas portuguesas aumentou nos primeiros cinco meses do ano relativamente ao período homólogo, com um total de 52.728 desastres, que provocaram 182 mortos.

Homem de Gouveia/LUSA

O número de acidentes nas estradas portuguesas aumentou nos primeiros cinco meses do ano relativamente ao período homólogo, com um total de 52.728 desastres, que provocaram 182 mortos, segundo os dados oficiais.

De acordo com o último balanço da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), entre 01 de janeiro e 31 de maio deste ano registaram-se mais 2.677 acidentes do que em período homólogo, um aumento que se repetiu nos feridos graves, que cresceram para 15.274 (mais 48).

Já o número de mortos baixou no período homólogo para 182 (menos três) e o de feridos graves caiu para 705 (menos 110). O balanço da ANSR, que reúne dados da GNR e PSP, indica ainda que só na última semana do mês de maio (entre os dias 22 e 31), morreram nas estradas 18 pessoas e 53 ficaram feridas com gravidade em acidentes.

O distrito que mais acidentes registou foi o de Lisboa (10.870), seguido do Porto (9.799), Braga (4.558), Aveiro (4.545) e Setúbal (4.189). Já o número de mortos foi maior em Setúbal (26), seguido dos distritos de Lisboa (22), Porto (19), Santarém (16) e Faro (14).

Nos feridos graves, o distrito que maior valor apresenta nos primeiros quatro meses do ano é o de Lisboa (92), seguido de Santarém (82), Faro e Porto (67) e Leiria (54).

No espaço de um ano (entre 01 de junho de 2017 e 31 de maio de 2018) o número de mortos nas estradas subiu para 507 (mais 38), enquanto o de feridos graves baixou para 2.088 (menos 70). Os dados da Segurança Rodoviária dizem respeito aos mortos cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)