Estados Unidos da América

Harvey Weinstein declara-se inocente face às acusações de violação no Supremo Tribunal de Nova Iorque

Harvey Weinstein declarou-se inocente face às acusações de violação e ato sexual criminoso no Supremo Tribunal de Nova Iorque. O produtor vai aguardar julgamento em liberdade com pulseira eletrónica.

Harvey Weinstein e o advogado à chegada ao Supremo Tribunal de Nova Iorque

AFP/Getty Images

Harvey Weinstein declarou-se formalmente inocente face às acusações de violação e ato sexual criminoso no Tribunal Federal de Nova Iorque. Ouvido esta terça-feira – depois de se entregar a 25 de maio e sair em liberdade no dia seguinte sob caução e com pulseira eletrónica -, o produtor declarou, através do advogado, que nunca teve qualquer ato sexual que não fosse consentido.

O produtor é acusado de ter violado uma mulher e ter forçado outra a fazer sexo oral. Cada uma destas acusações acarreta uma pena máxima de 25 anos. A mulher que acusa Harvey Weinstein de violação, e que ainda não foi publicamente identificada, denunciou aos investigadores que o produtor a encurralou num quarto de hotel em 2013. Já a segunda mulher, a atriz Lucia Evans, decidiu contar à comunicação social que em 2004, no escritório de Weinstein, foi obrigada a fazer sexo oral.

O The New York Times já tinha avançado que o produtor deveria ser acusado relativamente ao caso da atriz Lucia Evans. Weinstein aproximou-se de Lucia Evans numa discoteca em 2004, em Nova Iorque, contou a atriz à The New Yorker em outubro do ano passado. Evans queria ser atriz e, embora já tivesse ouvido rumores sobre o Weinstein, deu-lhe o número de telefone na esperança de que a pudesse ajudar a iniciar uma carreira no cinema.

Depois de várias tentativas de contacto e da insistência de Weinstein, Lucia Evans concordou encontrar-se com ele para uma reunião no escritório que o produtor tinha em Nova Iorque.

“Ele forçou-me a fazer sexo oral. Eu disse vezes sem conta: ‘Não quero fazer isto. Para! Não quero!’”, recordou. Evans ainda se questiona se se esforçou o suficiente para se ver livre dele. “Ele é grande. Ele dominou-me”, contou, acrescentando: “Foi como se eu tivesse desistido. Essa é a parte mais horrível”. A atriz sentiu que aquele foi “só mais um dia normal para ele” e explicou que o produtor agiu como se nada tivesse acontecido.

De acordo com o The Guardian, o norte-americano de 66 anos negou todas as alegações e o advogado, Benjamin Brafman, colocou em causa a credibilidade das duas mulheres que acusam Harvey Weinstein e garantiu que o produtor está confiante de que vai limpar o próprio nome. O advogado apelidou as acusações de “absurdas”, acrescentando que Weinstein e a mulher que o acusa de violação mantiveram uma relação consensual durante uma década: relação essa que, de acordo com Benjamin Brafman, continuou depois do alegado ataque de 2013.

Weinstein entregou-se às autoridades a 25 de maio, numa esquadra da baixa de Manhattan. Levou consigo dois livros, um deles de Elia Kazan, realizador e produtor norte-americano de origem grega considerado um dos mais importantes da história de Hollywood e da Broadway. Durante a curta audiência, a promotora adjunta de Manhattan, Joan Illuzzi, acusou Weinstein de “usar a sua posição, dinheiro e poder para atrair jovens mulheres para situações em que as podia violar”.

Harvey Weinstein vai permanecer em liberdade com pulseira eletrónica enquanto aguarda julgamento e é previsto que regresse a tribunal a 20 de setembro. O produtor e fundador da The Weinstein Company foi acusado de má conduta sexual por mais de 70 mulheres e está a ser investigado em Londres, Los Angeles e ainda pelo FBI.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)