Rádio Observador

Estados Unidos da América

Harvey Weinstein declara-se inocente face às acusações de violação no Supremo Tribunal de Nova Iorque

Harvey Weinstein declarou-se inocente face às acusações de violação e ato sexual criminoso no Supremo Tribunal de Nova Iorque. O produtor vai aguardar julgamento em liberdade com pulseira eletrónica.

Harvey Weinstein e o advogado à chegada ao Supremo Tribunal de Nova Iorque

AFP/Getty Images

Harvey Weinstein declarou-se formalmente inocente face às acusações de violação e ato sexual criminoso no Tribunal Federal de Nova Iorque. Ouvido esta terça-feira – depois de se entregar a 25 de maio e sair em liberdade no dia seguinte sob caução e com pulseira eletrónica -, o produtor declarou, através do advogado, que nunca teve qualquer ato sexual que não fosse consentido.

O produtor é acusado de ter violado uma mulher e ter forçado outra a fazer sexo oral. Cada uma destas acusações acarreta uma pena máxima de 25 anos. A mulher que acusa Harvey Weinstein de violação, e que ainda não foi publicamente identificada, denunciou aos investigadores que o produtor a encurralou num quarto de hotel em 2013. Já a segunda mulher, a atriz Lucia Evans, decidiu contar à comunicação social que em 2004, no escritório de Weinstein, foi obrigada a fazer sexo oral.

O The New York Times já tinha avançado que o produtor deveria ser acusado relativamente ao caso da atriz Lucia Evans. Weinstein aproximou-se de Lucia Evans numa discoteca em 2004, em Nova Iorque, contou a atriz à The New Yorker em outubro do ano passado. Evans queria ser atriz e, embora já tivesse ouvido rumores sobre o Weinstein, deu-lhe o número de telefone na esperança de que a pudesse ajudar a iniciar uma carreira no cinema.

Depois de várias tentativas de contacto e da insistência de Weinstein, Lucia Evans concordou encontrar-se com ele para uma reunião no escritório que o produtor tinha em Nova Iorque.

“Ele forçou-me a fazer sexo oral. Eu disse vezes sem conta: ‘Não quero fazer isto. Para! Não quero!’”, recordou. Evans ainda se questiona se se esforçou o suficiente para se ver livre dele. “Ele é grande. Ele dominou-me”, contou, acrescentando: “Foi como se eu tivesse desistido. Essa é a parte mais horrível”. A atriz sentiu que aquele foi “só mais um dia normal para ele” e explicou que o produtor agiu como se nada tivesse acontecido.

De acordo com o The Guardian, o norte-americano de 66 anos negou todas as alegações e o advogado, Benjamin Brafman, colocou em causa a credibilidade das duas mulheres que acusam Harvey Weinstein e garantiu que o produtor está confiante de que vai limpar o próprio nome. O advogado apelidou as acusações de “absurdas”, acrescentando que Weinstein e a mulher que o acusa de violação mantiveram uma relação consensual durante uma década: relação essa que, de acordo com Benjamin Brafman, continuou depois do alegado ataque de 2013.

Weinstein entregou-se às autoridades a 25 de maio, numa esquadra da baixa de Manhattan. Levou consigo dois livros, um deles de Elia Kazan, realizador e produtor norte-americano de origem grega considerado um dos mais importantes da história de Hollywood e da Broadway. Durante a curta audiência, a promotora adjunta de Manhattan, Joan Illuzzi, acusou Weinstein de “usar a sua posição, dinheiro e poder para atrair jovens mulheres para situações em que as podia violar”.

Harvey Weinstein vai permanecer em liberdade com pulseira eletrónica enquanto aguarda julgamento e é previsto que regresse a tribunal a 20 de setembro. O produtor e fundador da The Weinstein Company foi acusado de má conduta sexual por mais de 70 mulheres e está a ser investigado em Londres, Los Angeles e ainda pelo FBI.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)