Rádio Observador

RTP

RTP acompanha posição dos reguladores sobre “riscos potenciais” da compra da Media Capital

Quase um ano depois da proposta de compra feita pela Altice sobre a Media Capital, a operação parece mais longe de se concretizar após rejeição dos compromissos pela Autoridade da Concorrência (AdC).

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente do Conselho de Administração da RTP, Gonçalo Reis, afirmou esta terça-feira que acompanha a posição dos reguladores ERC e Anacom sobre os “riscos potenciais” da compra da Media Capital, dona da TVI, pela Altice Portugal.

Nos relatórios sobre a operação, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) “alertam para riscos potenciais”, apontou Gonçalo Reis, que esteve a ser ouvido na comissão parlamentar conjunta de Economia, Inovação e Obras Públicas e Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, no âmbito de um requerimento do Bloco de Esquerda (BE) sobre a compra da dona da TVI pelo grupo Altice.

“Nós acompanhamos essa leitura, essa identificação de riscos potenciais”, afirmou Gonçalo Reis, citando os dois reguladores. Se um operador que tem “uma posição forte numa rede de cabo” com “a qual a RTP tem contratos e da qual a RTP necessita”, vier a deter um canal concorrente, “até que ponto” é que uma empresa que gere duas plataformas (cabo e TDT) terá “os incentivos para tratar de maneira menos favorável os canais que não são detidos por si próprio”, questionou o gestor. Gonçalo Reis disse ainda desconhecer os compromissos apresentados pela Altice à Autoridade da Concorrência (AdC).

Na sua intervenção inicial, o presidente da RTP destacou que todo o investimento no setor dos media, que está “descapitalizado e fragilizado”, é positivo. No entanto, garantiu não estar a elogiar o investimento da Altice Portugal em concreto. “Não me cabe fazer isso, elogio o facto de haver um investimento” no setor que está “fragilizado”, afirmou.

Sobre a televisão digital terrestre (TDT), Gonçalo Reis sublinhou que “o pecado original” nesta plataforma é muito anterior a este negócio, assentando no facto de ter sido dada a possibilidade de “um operador que gere uma rede paga” de “gerir uma rede gratuita”. A Altice Portugal gere a rede da TDT (gratuita) e a Meo (paga).

Por sua vez, o diretor de informação de televisão da RTP, Paulo Dentinho, sublinhou que a “TDT chegou muito tarde”, o que permitiu a forte implementação da rede paga. Paulo Dentinho sublinhou que a compra da dona da TVI pela Altice resultará num “grupo poderosíssimo”, o que “vai reduzir o mercado de trabalho dos jornalistas”, podendo surgir “alguns receios” relativamente ao pluralismo.

Quase um ano depois da proposta de compra feita pela Altice sobre a Media Capital, a operação que envolve a dona da TVI parece mais longe de se concretizar após rejeição dos compromissos pela AdC, em 28 de maio.

A Altice, que comprou em junho de 2015 a PT Portugal por cerca de sete mil milhões de euros, anunciou em julho passado que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, entre outros meios, por 440 milhões de euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)