Voluntariado

Associações ibéricas preocupadas com recurso excessivo a voluntários em festivais de verão

As associações que representam o trabalho voluntário em Portugal e em Espanha estão preocupadas com o excesso de voluntários nos festivais, que funcionam "como mão-de-obra gratuita".

Os festivais de verão recorrem habitualmente ao trabalho de voluntários

ANDRÉ DIAS NOBRE/OBSERVADOR

A Confederação Portuguesa de Voluntariado (CPV) e a Plataforma de Voluntariado de Espanha (PVE) — os membros ibéricos do Centro Europeu do Voluntariado — estão preocupadas com o “uso de ‘voluntários’ como mão-de-obra gratuita, particularamente em eventos de grande envergadura”, como festivais de verão.

Num comunicado distribuído às redações, as duas instituições que representam os voluntários na península Ibérica sublinham que a utilização de voluntários em eventos desse tipo é uma “clara substituição de postos de trabalho” que “falseia a identidade do voluntariado”, nas palavras do presidente da CPV, Eugénio Fonseca.

Os grandes festivais de música que decorrem em Portugal todos os anos recorrem habitualmente a largas centenas de voluntários. O Rock in Rio, por exemplo, recorria a 400 voluntários até que, em 2016, deixou de recorrer a trabalho voluntário pela primeira vez.

O tema voltou à ordem do dia recentemente, com a realização do festival da Eurovisão em Lisboa. O festival contou com o trabalho de cerca de 400 voluntários, o que significa que cerca de um terço das pessoas que trabalharam no festival não foram remuneradas. Isso levou o Partido Socialista a questionar o Governo e a RTP sobre o assunto.

As duas organizações não governamentais estiveram reunidas em Lisboa a 29 de maio para “definir objetivos comuns de ação para os próximos anos”, pretendendo “estabelecer um modelo de trabalho que impulsione o voluntariado”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Solidariedade

Servir é um poder? Por que interessa responder

Isabel Teixeira da Mota
118

Numa cultura como a nossa, que contrapõe mandar e servir, poder e obedecer, acabamos por assumir uma visão caricatural do serviço quando este é uma forma de relação que só os seres humanos podem ter.

Voluntariado

Celebrar o Dia Internacional do Voluntariado

Luís Alves
254

O voluntariado é liberdade na sua plenitude. É a possibilidade que temos em dedicar parte do nosso tempo, esforço e energia a uma causa, ao combate a uma injustiça social ou a uma causa universais

Jovens

Nos desculpem, queridos millennials /premium

Ruth Manus

Millennials, nos desculpem. Tem uma parcela de culpa de todo mundo nisso. Dos pais, da escola, do mercado de trabalho, da indústria, das redes sociais. E, sim, temos coisas a aprender com vocês.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)