Seguros

Atual modelo de supervisor de seguros e fundos de pensões tem sido “mais valia”, diz Autoridade de Supervisão de Seguros e de Fundos de Pens

O presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e de Fundos de Pensões, José Almaça, defendeu a independência institucional do supervisor, cujo modelo tem sido uma "mais valia".

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e de Fundos de Pensões, José Almaça, defendeu esta quarta-feira a independência institucional do supervisor, cujo modelo tem sido uma “mais valia”, numa conferência internacional a decorrer em Lisboa.

Na abertura do encontro do Centro de Investigação, Regulação e Supervisão Financeira, o responsável referiu que “a supervisão do setor segurador e dos fundos de pensões carece de independência institucional do seu supervisor” e que é “estéril falar do presente e do futuro, sem falar do passado” já que o atual modelo “tem-se revelado uma mais valia e, até prova em contrário, a melhor solução”.

Para este responsável, os modelos institucionais devem ser “constantemente questionados e a sua viabilidade ponderada”, pelo que avançou com a necessidade de “reforço das atribuições, das competências e dos instrumentos e dos meios do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros”.

“Bem como da garantia da independência, paridade e flexibilidade da gestão dos recursos das autoridades de supervisão financeira, acrescentou.

José Almaça notou a necessidade de discutir o futuro da regulação e supervisão do setor financeiro em Portugal, no âmbito dos objetivos de “proteção da estabilidade e solidez financeira e a proteção dos consumidores” e lembrou que a ASF concorda com o grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira sobre a continuidade de três atuais supervisores setoriais, assim como o núcleo das suas atribuições.

O responsável referiu ainda que deve ser criada uma autoridade responsável pela supervisão prudencial e uma igualdade de regimes estatutários entre as entidades.

PL // ATR

Lusa/fim

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)