Salários

CGTP critica Sumol+Compal por pagar salário mínimo à maioria dos trabalhadores

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, criticou a administração da empresa Sumol+Compal de Pombal por pagar o salário mínimo nacional à esmagadora maioria dos trabalhadores.

Rui Miguel Pedrosa/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, criticou esta quarta-feira a administração da empresa Sumol+Compal de Pombal, distrito de Leiria, por pagar o salário mínimo nacional à esmagadora maioria dos trabalhadores, quando os lucros continuam a aumentar.

Cerca de meia centena de trabalhadores da Sumol+Compal da unidade de Pombal reivindicaram esta quarta-feira aumentos salariais e melhores condições de trabalho, através de uma greve com início às 00h00 e que se estende às 08:00 de quinta-feira, que paralisa por completo a produção.

“Trata-se de uma empresa que tem um volume de negócios significativo e com lucros que continuam a aumentar, e que tem a esmagadora maioria dos trabalhadores a receber o salário mínimo nacional ou muito perto disso”, denunciou Arménio Carlos, que participou no protesto.

A greve incluiu uma concentração em frente às instalações, entre as 08h00 e as 10h00 e uma deslocação à Câmara Municipal, depois de terem apresentado uma carta reivindicativa à empresa, que se mostrou indisponível para responder às propostas apresentadas.

O secretário-geral da CGTP-IN denunciou ainda que na unidade de Pombal da Sumol+Compal há a “agravante de existirem situações diferenciadas de atribuição de salários para as mesmas categorias profissionais, independentemente dos locais de laboração e, por outro lado, há também o facto de a empresa considerar o sábado como dia de trabalho normal para não pagar o trabalho suplementar”.

“Continuamos na área laboral na mesma lógica que tínhamos no período da ‘troika’ e estas propostas, que o Governo transformou agora em acordo e depois em proposta de lei para apresentar à Assembleia da República, confirmam que, não só não resolvem os problemas, como por outro lado mantém o bloqueio da contratação coletiva, que aqui é espelhado na indisponibilidade da empresa em negociar com o sindicato e pela pressão nos salários”, sublinhou.

Segundo Mariana Rocha, do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias da Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal, a carta apresentada pelos cerca de 100 trabalhadores da unidade de Pombal solicita “o aumento dos salários, a melhoria das condições de trabalho, o aumento do subsídio de turno e a alteração do horário de trabalho”.

A sindicalista lembrou que a empresa, em 2017, pagava abaixo do salário mínimo nacional, situação que foi invertida em setembro “com a luta dos trabalhadores”. Os trabalhadores reivindicam aumentos salariais de 4% ou 40 euros, considerando os níveis salariais da mesma função, igualdade salarial para as mesmas categorias e funções, bem como a atribuição de categorias profissionais adequadas às funções desempenhadas.

A reestruturação do prémio de produtividade para que os valores correspondam às exigências impostas pela empresa é outra das reivindicações da carta entregue à administração.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Salários

Um salário mínimo motivante

Ricardo Mendes Ribeiro

A contraposição socialista entre empregador e empregado é fundamentalmente errada: quanto mais feliz o empregado estiver com o seu trabalho, mais e melhor produz.

Desigualdade

“O triunfo dos porcos”

Jorge Silveira Botelho
265

Enquanto muitos trabalhadores do setor privado reentraram no mercado de trabalho com salários mais baixos, o valor dos ganhos médios mensais brutos no sector público passou de 1.600 para 1.721 euros.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)