Foi a primeira reunião da Comissão Nacional socialista (o órgão máximo entre congressos), escolhida no último congresso do PS, no final de Maio, na Batalha. Entre os principais pontos da agenda estava a eleição da Comissão Política Nacional, o orgão de direção alargada do partido.

Havia duas listas a concurso, a que era proposta pelo próprio Secretário-Geral, António Costa, e a que era proposta por Daniel Adrião, o único adversário que tentou desafiar a liderança de Costa nas duas últimas eleições diretas.

Estavam em jogo 65 assentos. Contas feitas, e tal como se esperava, na reunião que decorreu no hotel Altis em Lisboa, a lista de António Costa venceu por larga maioria, com 194 votos, a de Adrião ficou-se pelos 37. Sendo que a distribuição de lugares é feita segundo o princípio da representação proporcional, Costa assegurou a presença de 55 elementos da sua lista na Comissão Política, contra 10 lugares da lista adversária.

Ao que o Observador apurou, chegou a haver uma tentativa de conciliação das duas listas, com um número de assentos prometidos a Adrião, mas ao contrário do que aconteceu há dois anos, desta vez essa negociação não produziu resultados.