A Volkswagen levou a cabo, na Hungria, mais um teste à nova Amarok. Em Debrecen, a segunda maior cidade do país, a pick-up alemã recebeu um “atrelado” algo invulgar: um eléctrico com 43 toneladas, que teria de ser rebocado em difíceis condições de aderência: sobre carris.

Sob o capot estava a versão mais “vitaminada” do 3.0 V6 TDI, associado a uma caixa automática de oito velocidades, o que permite à Amarok anunciar 258 cv e um binário máximo de 580 Nm. Mas, momentaneamente, a pick-up é capaz de extrair mais 14 cv, à custa da função de overboost, sendo a potência enviada às quatro rodas através do sistema 4Motion.

Esta nova demonstração de força decorreu cerca de um ano depois de a Amarok ter rebocado um Boeing 747 de 180 toneladas, no aeroporto de Ciudad del Este, no Paraguai. Foi assim:

Ora, se na altura essa acção serviu para mediatizar o lançamento do modelo nos mercados da América do Sul, o novo desafio a que foi submetida a pick-up poderá ser entendido como a continuidade de um “picanço” que já vem detrás… Será, muito provavelmente, a resposta (polida) da Volkswagen à Mercedes. Isto porque a Classe X adicionou à sua oferta de motorizações um 3,0 litros turbodiesel, também V6. E tal como a Amarok com a versão mais potente do 3.0 V6 TDI, a X 350 d 4MATIC reclama 258 cv, mas debita um menor binário máximo (550 Nm).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR