Greve

Estivadores dizem que objetivos da greve do porto de Setúbal foram alcançados

O sindicato dos estivadores considerou que os objetivos da greve no porto de Setúbal foram "plenamente" alcançados com a "paralisação total" dos trabalhos durante as últimas 24 horas.

CARLOS SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O sindicato dos estivadores considerou esta quarta-feira que os objetivos da greve no porto de Setúbal foram “plenamente” alcançados com a “paralisação total” dos trabalhos durante as últimas 24 horas, disse à Lusa o dirigente António Mariano. “Esta jornada de luta era para expor a precariedade extrema que se vive neste porto (Setúbal) e isso foi conseguido com a paragem de 24 horas. Todos os trabalhadores respeitaram a decisão e o porto esteve completamente parado. Foi o nosso principal objetivo e isso foi plenamente conseguido”, disse o dirigente do Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística.

A greve de dois dias convocada pelo Sindicato dos Estivadores pretendeu alertar para a situação de “extrema precariedade” que se vive no porto de Setúbal e para a necessidade de se concluírem as negociações do novo Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) com as entidades patronais do porto de Setúbal, ANESUL, Associação dos Agentes de Navegação e Empresas Operadoras Portuárias, e AOP, Associação de Operadores Portuários, que começaram em abril do ano passado.

António Mariano sublinha que, após a paralisação das últimas 24 horas, o sindicato espera que a próxima reunião com as entidades empregadoras – provavelmente no próximo dia 12 de junho – venha a alcançar resultados.

“Esperemos que nas reuniões que já estão marcadas para continuar o processo de contrato coletivo seja possível chegar a resultados que também resolvam a questão da precariedade de uma vez por todas”, acrescentou António Mariano. Segundo o dirigente sindical o porto de Setúbal “está neste momento a operar”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)