Cinema

“O Segredo dos Kennedy”: o político no seu labirinto moral

John Curran recria neste filme a tragédia de Chappaquiddick, em julho de 1969, que envolveu Ted Kennedy e as tentativas de encobrimento feitas pelo clã. Eurico de Barros dá-lhe três estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Nem sequer no cinema o falecido Ted Kennedy conheceu a atenção dada aos seus irmãos mais velhos Joseph, John e Robert, que têm sido tema — em especial o segundo — de incontáveis filmes, sem contar os telefilmes, séries e minisséries que a televisão lhes dedicou. Dos quatro, Ted foi o único que não teve uma morte violenta, embora tenha estado envolvido numa tragédia que lhe comprometeu quaisquer ambições que tivesse de ser presidente nos EUA. Um ano depois do assassinato de Robert, na noite de 18 de julho de 1969, quando os astronautas da Apolo 11 se preparavam para caminhar na Lua, o carro que Ted Kennedy guiava caiu à água de uma pequena ponte na ilha de Chappaquiddick. O senador sobreviveu mas a jovem Mary Jo Kopechne, antiga secretária de Robert, que o acompanhava e tinha estado na mesma festa que ele, ficou presa no carro e morreu afogada.

[Veja um documentário sobre a tragédia de Chappaquidick:]

Ted Kennedy só comunicou o sucedido às autoridades várias horas depois, na manhã seguinte, e o caso transformou-se num escândalo nacional. A investigação foi apressada e desajeitada, Kopechne foi enterrada sem ser autopsiada, Kennedy acabou por se declarar culpado de abandono do local de um acidente e saiu do tribunal com uma pena levíssima, dois meses de cadeia com pena suspensa e proibição de guiar por um ano. Muita gente comentou que não fosse ele ser quem era, se a família Kennedy não dominasse politicamente o estado do Massachussetts, onde se deu o acidente, e não tivesse lá tantas influências, o filho mais novo de Joe Kennedy não se teria safado tão facilmente. O senador continuou a ser eleito até morrer, em 2009, e a sua única tentativa para ser nomeado candidato do Partido Democrata à Casa Branca, em 1980, falhou.

[Veja o “trailer” de “O Segredo dos Kennedy”:]

Há vários livros publicados sobre o incidente, mas nunca tinha sido feito nenhum filme até “O Segredo dos Kennedy”, de John Curran. Apenas Brian De Palma havia aludido ao caso em “Blow Out” (1981), embora num contexto ficcional. A fita de Curran não pertence à escola das que idealizam os Kennedy, nem segue a linha da desculpabilização do seu comportamento em Chappaquiddick, embora também não jogue a cartada da diabolização, característica dos inimigos e detratores da dinastia. É uma recriação sóbria e equilibrada dos acontecimentos, que não abdica de mostrar as tentativas de encobrimento e branqueamento feitas pelos Kennedy e pela sua equipa de fiéis (quando Ted telefona ao pai Joe para lhe comunicar o acidente, este, que havia tido um AVC pouco tempo antes, mumura-lhe “Alibi…”), a confusão interior e as falhas de caráter do senador, e a maneira como a vítima, Kopechne, é rapida e friamente menosprezada.

[Veja o realizador falar sobre o filme:]

Curran recusa sugerir que Ted (Jason Clarke) e Mary Jo (Kate Mara) tinham uma ligação (apesar de haver quem jure pelo contrário), dizendo que o que os juntava era a admiração por Bobby e a dor pela sua morte. E mostra como a sombra dos irmãos mortos pesava sobre Ted — quase como uma maldição pessoal –, bem como a rispidez com que o pai Joe (Bruce Dern) o tratava e a pouca consideração que tinha por ele, comparando-o desfavoravelmente a Joseph, John e Bobby. Há mesmo uma altura em que Ted pondera aproveitar a tragédia para se ver livre do fardo que carrega pelo pai, pelos pergaminhos políticos da família, pelo carisma e pela memória dos irmãos e pelas expectativas que nele depositam os seus leais apoiantes. Os mesmos que, à excepção do primo, Joe Gargan (Ed Helms), mexem cordelinhos e cobram favores para controlar os estragos e livrá-lo do escândalo. (O poder dos Kennedy estende-se até hoje: o distribuidor de “O Segredo dos Kennedy” disse que “pessoas muito poderosas” tinham tentado dissuadi-lo de lançar a fita).

[Veja a entrevista com o ator Jason Clarke:]

“O Segredo dos Kennedy” é o retrato de um político hesitante e errático posto perante um acontecimento que testa a sua consciência e a sua fibra, perdido no seu labirinto moral e sob a pressão de forças a que acaba por ceder, por falta de coragem e excesso de auto-piedade. A vontade de Ted fazer o que a situação lhe pede não consegue sobrepor-se ao que o seu ego, e uma noção distorcida das responsabilidades e do dever, lhe dizem. O filme percebe isso, mas não o desculpa nem o absolve. No papel principal, o australiano Jason Clarke prescinde de apostar numa grande parecença física com Ted Kennedy, personificando-o sem o imitar e conseguindo equilibrar e transmitir a indefinição, o sentido do seu estatuto privilegiado, o cansaço e a desorientação moral que o afligiam.

Tudo o resto sobre a tragédia dessa noite foi levado para a sepultura por Ted Kennedy em 2009, ou ficou para sempre esquecido nas águas rasas de Chappaquiddick, junto a uma pontezinha sem protecção que andou nas bocas do mundo durante algumas semanas no verão de 1969, quando o homem andou na Lua.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Amigos improváveis e a solidão dos revolucionários

António Pimenta de Brito

O filme “Greenbook” é um hino a uma liberdade que pode fazer tudo, uma liberdade que, mesmo com condicionantes, não desiste das suas possibilidades, na busca pela felicidade, dignidade e amor.

Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)