Com o contributo do mercado português, onde a Seat atinge tradicionalmente um dos seus melhores desempenhos, o fabricante espanhol continua a crescer a um ritmo invejável, provando as decisões estratégicas mais recentes, especialmente desde que Luca de Meo está na liderança da marca de Martorell, membro do Grupo VW.

Em Maio, os espanhóis comercializaram 49.200 veículos, mais 15,5% do que os 42.600 vendidos em 2017, e ultrapassaram os 48.400 automóveis transaccionados num só mês, recorde que estava em vigor desde o ano 2000.

Segundo o responsável pelas vendas e marketing da Seat, Wayne Griffiths, “os números de Maio permitem-nos continuar a figurar entre os construtores com maior crescimento da Europa”, o que foi conseguido à custa do sucesso do novo Arona, que assim se juntou ao Ibiza, Leon e Ateca.

Entre os mercados mais importantes, as maiores subidas nas vendas foram atingidas na Alemanha, onde a marca cresceu 19,3%, seguida do Reino Unido (19%), França (14,8%) e Espanha (14,3%). O mercado tunisino, onde a Seat passou recentemente a fabricar o Ibiza, cresceu uma enormidade percentualmente, o que também se verificou noutros mercados com volumes de vendas mais reduzidos, como é o caso da Bélgica (36,5%), Holanda (29,8%), Portugal (27,6%), e Áustria (25,7%.

De recordar que, em 2017, a Seat vendeu 470.000 veículos, de que resultou um lucro, depois de impostos, de 281 milhões de euros.