Rádio Observador

Alergias

Alerta para níveis muito elevados de pólen em Lisboa, Setúbal, Évora, Portimão e Castelo Branco

Lisboa, Setúbal, Castelo Branco, Évora e Portimão vão ter níveis de pólenes muito elevados nos próximos sete dias. Há um maior risco de alergias dos olhos, da pele ou do sistema respiratórios.

RALF HIRSCHBERGER/EPA

As regiões de Castelo Branco, Lisboa, Setúbal, Évora e Portimão vão ter níveis de pólenes muito elevados ao longo dos próximos sete dias, diz o Boletim Polínico da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC). Para a semana de 8 a 14 de junho, a SPAIC prevê concentrações de pólenes muito elevadas nessas regiões continentais e concentrações elevadas no Porto (Entre Douro e Minho) e Vila Real (Trás-os-Montes e Alto Douro), que apresentam níveis moderados de pólen.

A SPAIC indica também que, ao contrário da maioria das regiões do continente, os pólenes estarão em níveis baixos na Madeira, destacando-se os pólenes das ervas gramíneas e parietária, e, nos Açores, os pólenes encontram-se em níveis moderados, com predomínio dos pólenes das árvores pinheiro e palmeira e das ervas gramíneas, parietária e tanchagem.

Os pólenes das árvores carvalhos e oliveira predominam nas regiões de Trás-os-Montes e Entre Douro e Minho. No que diz respeito às ervas, predominam os pólenes de gramíneas, parietária e tanchagem em Trás-os-Montes e urtiga, parietária, gramíneas e tanchagem em Entre Douro e Minho.

Nas regiões da Beira Interior, Beira Litoral, Lisboa, Setúbal e Algarve prevalecem os pólenes das árvores carvalhos e oliveira. Os pólenes das ervas gramíneas predominam nas regiões da Beira Interior e da Beira Litoral, com o acréscimo das ervas tanchagem e parietária, respetivamente

Nas regiões de Lisboa, Setúbal e Algarve destacam-se os pólenes das ervas parietárias, gramíneas e quenopódio, com acréscimo das ervas tanchagem no Algarve. Os pólenes das árvores sobreiro e oliveira e das ervas gramíneas, tanchagem e parietária serão os dominantes no Alentejo.

As concentrações de pólenes são suscetíveis de provocar doenças alérgicas, e estas podem ser do aparelho respiratório (asma e rinite alérgica), dos olhos (conjuntivite alérgica) ou da pele (urticária e eczema). O Boletim Polínico efetua a divulgação semanal dos níveis de pólenes existentes no ar atmosférico recolhidos através da leitura de postos em várias regiões do país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
2.827

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)