Agricultura

Marcelo preocupado com cortes de Bruxelas na política de coesão e agrícola

A Comissão Europeia propôs uma verba de cerca de 7,6 mil milhões de euros no QFP 2021/2027, a preços correntes, abaixo dos 8,1 mil milhões do orçamento anterior.

EDUARDO COSTA/LUSA

O Presidente da República manifestou esta sexta-feira preocupação com a posição que a União Europeia venha a revelar no âmbito da coesão e da Política Agrícola Comum (PAC) face aos cortes previstos para o pós-2020.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que “não é irrelevante” para o país como um todo, e para os Açores, o que venha a ser definido no âmbito do Quadro Financeiro plurianual (QFP) 2021-2027 face aos cortes e a sua dimensão, às alterações no modelo de cofinanciamento e condições de elegibilidade, sendo também importante saber quem vai gerir, com a participação nacional e regional, os fundos.

O chefe de Estado, que falava em Ponta Delgada na sessão de encerramento do Fórum Económico e Social, promovido pela Câmara de Comércio e Indústria dos Açores (CCIA), Federação Agrícola dos Açores e UGT, considerou que o momento europeu “é difícil” e que “faz toda a diferença” haver decisões agora, antes das eleições europeias e de uma nova Comissão, ou depois. Para Marcelo, o “pior exemplo que a Europa poderia dar” no quadro internacional seria esta indefinição sobre ela própria”.

Segundo a proposta apresentada na semana passada em Bruxelas, a Comissão Europeia propôs uma verba de cerca de 7,6 mil milhões de euros no QFP 2021/2027, a preços correntes, abaixo dos 8,1 mil milhões do orçamento anterior, com uma ligeira subida nos pagamentos diretos e cortes no desenvolvimento rural, a serem compensados pelos orçamentos nacionais.

Para o Presidente da República, nas preocupações dos vários responsáveis dos Açores em matéria de coesão e PAC estão “questões concretas” como preço do leite à produção e os investimentos ao abrigo do segundo pilar da política agrícola no âmbito do desenvolvimento rural. “Estamos a falar de realidades concretas, de investimentos concretos, de pessoas concretas e atividades económicas concretas”, frisou.

Marcelo salvaguardou que, no quadro da coesão, “uma Europa que se quer forte tem que ser mais coesa: – como é que pode ser mais coesa se deixa de apostar na coesão social e territorial?”, questionou.

Manifestou também preocupação que a Europa “não deixe de considerar como sua prioridade o crescimento e o emprego”, prioridade que deve ser também nacional e açoriana, com repercussões no investimento e financiamento das economias. “O que for bom para vós é bom para todos nós. Não há nada que seja bom para a Região Autónoma dos Açores que deixe de ser bom para o todo nacional. Rigorosamente nada. Estamos identificados neste percurso, declarou.

Marcelo encontra-se nos Açores no âmbito das comemorações do Dia de Portugal, que decorrem este ano entre Ponta Delgada, nos Açores, Boston e Providence, nos Estados Unidos.

Em 2016, ano em que tomou posse como chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa lançou um modelo inédito de comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, acertado com o primeiro-ministro, António Costa, em que as celebrações começam em território nacional e se estendem a um país estrangeiro com comunidades emigrantes portuguesas.

Nesse ano, o Dia de Portugal foi celebrado em Lisboa e Paris e, em 2017, no Porto e nas cidades brasileiras do Rio de Janeiro e São Paulo.

Este ano cabe aos Açores, mais concretamente a Ponta Delgada, receber a primeira parte das comemorações, viajando depois o chefe de Estado e o primeiro-ministro para os Estados Unidos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Partidos e Movimentos

Uma alternativa à Geringonça

Carlos Guimarães Pinto

As hipóteses eleitorais da Iniciativa Liberal são as de um partido novo sem figuras do sistema politico-mediático nem apoio de um grupo de comunicação como sucede com Santana/Impresa e Ventura/Cofina.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)