Erupção Vulcânica

Vulcão “Fuego” fez 110 mortos na Guatemala. 200 pessoas continuam desaparecidas

O vulcão que entrou em erupção no passado domingo, na Guatemala, fez mais mais de 100 mortos. Cerca de 200 pessoas continuam desaparecidas. Governo já pediu ajuda internacional.

JOHAN ORDONEZ/AFP/Getty Images

O balanço mais recente da erupção do vulcão “Fuego” dá conta de 110 mortos na Guatemala. Segundo a edição espanhola da CNN, o governo daquele país pediu ajuda internacional para lidar com os estragos deixados pela explosão que já foi considerada a pior das últimas quatro décadas no país.

O vulcão entrou em erupção no domingo, dia 3 de junho, e expeliu um rio de lava de oito quilómetros, além de ter originado espessas nuvens negras, que se ergueram a uma altura de 10 mil metros.

A erupção, ainda de acordo com o mesmo meio, afetou mais de 1.7 milhões de pessoas, obrigou à evacuação de 12 mil e resultou no desaparecimento de quase 200 pessoas.

O Instituto Nacional de Ciências Forenses da Guatemala assegura que o número de vítimas mortais ascendeu nos últimos dias a 110, muito embora a CONRED (Coordenadora Nacional para a Redução de Desastres) continue a referir-se a 99 mortos.

O governo da Guatemela está a pedir equipamentos para construir abrigos, mas também alimentos, medicamentos (incluindo analgésicos e antibióticos) e equipamento médico, entre outras solicitações.

O vulcão em causa provocou, entretanto, uma nuvem tóxica de gás e cinzas, que levou à evacuação de socorristas e moradores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
477

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)