O balanço mais recente da erupção do vulcão “Fuego” dá conta de 110 mortos na Guatemala. Segundo a edição espanhola da CNN, o governo daquele país pediu ajuda internacional para lidar com os estragos deixados pela explosão que já foi considerada a pior das últimas quatro décadas no país.

O vulcão entrou em erupção no domingo, dia 3 de junho, e expeliu um rio de lava de oito quilómetros, além de ter originado espessas nuvens negras, que se ergueram a uma altura de 10 mil metros.

A erupção, ainda de acordo com o mesmo meio, afetou mais de 1.7 milhões de pessoas, obrigou à evacuação de 12 mil e resultou no desaparecimento de quase 200 pessoas.

O Instituto Nacional de Ciências Forenses da Guatemala assegura que o número de vítimas mortais ascendeu nos últimos dias a 110, muito embora a CONRED (Coordenadora Nacional para a Redução de Desastres) continue a referir-se a 99 mortos.

O governo da Guatemela está a pedir equipamentos para construir abrigos, mas também alimentos, medicamentos (incluindo analgésicos e antibióticos) e equipamento médico, entre outras solicitações.

O vulcão em causa provocou, entretanto, uma nuvem tóxica de gás e cinzas, que levou à evacuação de socorristas e moradores.