Rádio Observador

Protestos

Mais de 100 pessoas fazem “praia” em Setúbal contra o programa “Arrábida sem carros”

578

Cerca de 150 pessoas, muitas delas munidas de toalhas e chapéus-de-sol, estiveram na Praça de Bocage, em Setúbal, para expressar o seu descontentamento contra o programa "Arrábida sem carros".

CARLOS SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de 150 pessoas, muitas delas munidas de toalhas e chapéus-de-sol, estiveram este domingo na Praça de Bocage, em Setúbal, para expressar o seu descontentamento contra o programa “Arrábida sem carros” implementado pela Câmara Municipal.

Vanessa Sequeira, promotora do movimento “Praia na Praça”, lançado na rede social Facebook, discorda da solução encontrada pela autarquia para o acesso às praias da serra da Arrábida e alerta para a necessidade de os responsáveis pelo município ouvirem os setubalenses.

“Com esta manifestação, queremos que mude o clima de imposição e passe a haver um clima de diálogo. Queremos que a Câmara perceba que Setúbal não está de acordo com as medidas implementadas e que chegou a hora de negociar”, disse à Lusa, comentando o número de pessoas que aderiram ao protesto.

Não sabíamos muito bem o que esperar porque nunca tínhamos organizado uma coisa destas. Ainda assim, provavelmente esta é a praia com mais gente das redondezas, por isso, a adesão foi boa. Há aqui mais gente do que em todas as praias da Arrábida juntas”, afirmou.

Vanessa Sequeira explicou que o movimento nasceu na sequência de uma “piada” que fez nas redes sociais e refuta a ideia de se tratar de um protesto com motivações políticas. “Este movimento cívico surgiu de uma brincadeira porque um dia disse, por piada, que devíamos pegar nas toalhas e vir para a Praça do Bocage. As pessoas acharam graça à ideia e decidi avançar para o protesto. Convidei algumas pessoas que também estavam contra ao que se estava a passar e foi assim que nasceu este movimento totalmente cívico que não tem nada de político”, assegurou.

A Câmara Municipal de Setúbal lançou, a 31 de maio, o programa, que pretende limitar o acesso de viaturas de transporte particular às praias da margem direita do rio Sado. Durante a época balnear, no troço da Estrada Nacional 379-1 compreendido entre a praia da Figueirinha e o portinho da Arrábida, só será permitida a circulação de viaturas de residentes, de serviço devidamente autorizadas, emergência e socorro e transportes públicos.

Em desacordo com a solução encontrada, Vanessa Sequeira revelou que o movimento contestatário pretende ver aplicadas três ações imediatas. “Em primeiro lugar, queremos que não seja cobrado o estacionamento na praia da Figueirinha, onde tem de ser aumentado e não taxado. Depois pretendemos a abertura do troço entre a Figueirinha e o Creiro com a colocação de pinos e policiamento. Em terceiro lugar, queremos que os transportes sejam mais baratos. Não faz sentido que os Transportes Sul do Tejo (TST) estejam a cobrar para a Figueirinha um valor por quilómetro que é quase o dobro do que cobram para Lisboa. É uma falta de respeito”, acusou.

A impulsionadora da iniciativa “Praia na Praça” recusou a ideia de estar a defender a desordem e a insegurança no acesso às praias da Arrábida. “Ao contrário da ideia que nos estão a colar, não pretendemos o caos, mas sim que as pessoas possam circular. Há quem queira passar pela estrada sem ir à praia e agora não podem fazê-lo”, referiu.

Vanessa Sequeira congratula-se pelo facto de o movimento de que faz parte já ter alcançado algumas conquistas. “Já foi retirada a ideia de vender lugares privativos por 500 euros, já se fala em que a medida seja provisória. Fomos ridicularizados quando avançámos com a ideia de colocação de pinos e agora já se diz que no futuro vão ser colocados”, disse.

A responsável pelo movimento apela à necessidade de haver o máximo de transparência no processo. “Gostávamos de consultar o plano de emergência que, tanto quanto sabemos, nem sequer existe. Queremos também consultar o acordo de concessão com os TST para perceber por que este trajeto é muito mais caro do que os outros e se houve, ou não, contrapartidas. Foi entregue uma petição na Câmara com 1200 assinaturas reunidas em três dias. Até agora ninguém se pronunciou. Já se tentou abordar este assunto em sessão de Câmara e não foi bem recebido”, lamentou.

Recorde-se que a autarquia pretende proibir o estacionamento abusivo de viaturas na berma da estrada, situação que se tem repetido ano após ano, e que não só dificulta a circulação automóvel de transportes públicos, como põe em causa a passagem de viaturas de emergência e a possibilidade de acorrerem a qualquer situação de emergência ou de catástrofe.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)