O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado desta segunda-feira contra o Ministério da Reabilitação Rural e Desenvolvimento na capital do Afeganistão, Cabul, que matou pelo menos 12 pessoas e feriu 31.

Os ‘jihadistas’ reivindicaram o atentado através da Amaq, a sua agência de propaganda, na véspera da entrada em vigor de um cessar-fogo unilateral proclamado pelo Estado afegão e relativo aos talibãs.

“Um bombista suicida detonou o seu colete explosivo à entrada do ministério, matando e ferindo vários funcionários”, declarou Hashmat Stanekzai, porta-voz da polícia de Cabul.

A mesma fonte disse à agência noticiosa espanhola EFE que a explosão ocorreu cerca das 13h00 locais (08h30 em Lisboa), quando os funcionários estavam a sair do edifício do ministério, no oeste de Cabul, mais cedo devido ao Ramadão.

O porta-voz da polícia disse ainda que também se registou uma explosão numa casa em Cabul, que matou uma pessoa e deixou feridas três. Os três feridos foram detidos, após a polícia ter encontrado explosivos, incluindo em coletes, na habitação, provavelmente utilizada para planear ataques na capital afegã, adiantou.