Emprego

Primeiro-ministro assume como meta mais 25 mil empregos científicos no setor privado até 2030

122

No final de uma visita que efetuou ao Massachusetts Institute of Technology (MIT), António Costa afirmou que a meta do Governo é criar 25 mil empregos científicos no setor privado até 2030.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro afirmou esta segunda-feira que a meta do Governo é criar 25 mil empregos científicos no setor privado até 2030, considerando que as universidades portuguesas já trabalham com os melhores centros do mundo.

António Costa assumiu estes objetivos no discurso que fez no final de uma visita que efetuou ao Massachusetts Institute of Technology (MIT), na qual esteve acompanhado pelo ministro da Ciência e do Ensino Superior, Manuel Heitor.

Em declarações aos jornalistas, antes de a delegação do Governo português abandonar a prestigiada instituição universitária de Boston, Manuel Heitor resumiu a estratégia do executivo português no domínio científico, particularmente no que respeita à cooperação com instituições internacionais.

No caso do MIT, até 2030, haverá “um investimento público na ordem dos 120 milhões de euros”, dos quais 60 milhões de euros aplicados em Portugal. “Haverá também o investimento das empresas nelas próprias, que se comprometeram a duplicá-lo em investigação e desenvolvimento. Estas linhas de ação contribuem para concretizar o objetivo mencionado pelo primeiro-ministro de criar 25 mil postos de trabalho em Portugal no setor privado”, declarou o titular das pastas da Ciência e do Ensino Superior.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Emprego

Precariedade

Luís Campos e Cunha

A solução para o “desemprego a prazo” não é colocar a empresa no dilema do tudo ou nada, mas antes dar-lhe a possibilidade de renovar o contrato com a imposição de ser por um prazo crescente.

Benfica

Oh meus amigos, não havia necessidade...

Pedro Coelho dos Santos

Ação gera reação. Começa-se por um pasodoble no final de um clássico, passa-se depois para um “chamem a polícia” no estádio do rival. Não pode ser. Aos dirigentes desportivos exige-se responsabilidade

Orçamento do Estado

O engodo do défice /premium

André Abrantes Amaral

Dizem que o o orçamento é prudente, mas prudente seria seguir uma política financeira capaz de impedir que o estado social colapse com a próxima crise. O resto, lamento, é mera confusão e engodo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)