Lisboa

Alfama vence novamente as Marchas Populares de Lisboa

3.590

A marcha de Alfama venceu outra vez as Marchas Populares de Lisboa. O segundo lugar foi atribuído à marcha do Bairro Alto e o terceiro à marcha da Madragoa.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A marcha de Alfama venceu novamente as Marchas Populares de Lisboa, anunciou esta terça-feira a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), responsável pela organização da iniciativa. Tal como no ano passado, o segundo lugar foi atribuído à marcha do Bairro Alto e o terceiro à marcha da Madragoa.

Este ano, as Marchas Populares de Lisboa celebravam os 120 anos do nascimento do ator lisboeta Vasco Santana (1898-1958).

Segundo a EGEAC, as marchas foram avaliadas com uma pontuação de 0 a 20 e em dois momentos. Primeiro, na Altice Arena, nos dias 1, 2 e 3 de junho, e na Avenida da Liberdade, na passada noite de Santo António. As categorias avaliadas foram as de Melhor Coreografia, Cenografia, Figurino, Letra, Musicalidade, Composição Original e Desfile da Avenida.

A marcha de Alfama destacou-se “sozinha” em várias categorias, como coreografia, musicalidade e melhor composição original, com a canção de Alfama, indicou a EGEAC.

A marcha vencedora deste ano, que repete o feito pela terceira vez consecutiva, partilhou a vitória nas categorias de melhor figurino com o Bairro Alto e Carnide, e a de melhor letra com Madragoa.

Alcântara venceu na categoria de cenografia e as marchas do Bairro Alto e da Madragoa venceram na categoria de desfile da avenida, anunciou a EGEAC.

A 86.ª edição das Marchas Populares de Lisboa contou com a participação de 23 marchas: São Vicente, Alfama, Olivais, Marvila, Ajuda, Lumiar, São Domingos de Benfica, Alcântara, Benfica, Belém, Boavista, Madragoa, Mouraria, Bica, Graça, Bela-Flor Campolide, Carnide, Castelo, Penha de França, Campo de Ourique, Alto do Pina, Bairro Alto e Santa Engrácia.

Este ano, a iniciativa conta com a marcha convidada de Vila da Lousã.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)