Depois de ter recentemente reduzido o volume de produção em duas das suas fábricas em Inglaterra, devido à quebra das vendas no Reino Unido, cortando cerca de 1.000 postos de trabalho, a Jaguar Land Rover (JLR) anunciou que a próxima geração do Land Rover Discovery será produzida na Eslováquia, o que vai gerar mais umas centenas de desempregados no seu país de origem. Com esta medida, a JLR evita os impostos às exportações para a União Europeia (UE), após o Brexit, de veículos montados em Inglaterra.

A nova fábrica na Eslováquia, que iniciará a produção no final deste ano, tem a capacidade de montar 300.000 veículos por ano e emprega 2.800 pessoas, sendo que não será a única instalação a montar o futuro Discovery, modelo que também vai ser produzido na China e, em pequenas quantidades, em Inglaterra. Com esta deslocação da produção, especialmente por estar relacionada com novos modelos que vão ser potencialmente fabricados durante sete a oito anos, com enormes investimentos iniciais, a JLR protege-se dos danos provocados pelo Brexit, que vai sobrecarregar com impostos extra os veículos fabricados em Inglaterra e destinados à UE.

Seguindo este raciocínio, a Jaguar, também ela membro da JLR, grupo controlado pelos indianos da Tata, decidiu concentrar a produção do SUV eléctrico I-Pace nas instalações da Magna Steyr, na Áustria. A JLR anunciou entretanto que a fabricação dos novos Range Rover e Range Rover Sport, modelos já preparados para receber motorizações híbridas e eléctricas, além das tradicionais a gasolina e diesel, vai continuar a estar centralizada em Inglaterra, isto apesar das vendas no Reino Unido continuarem a cair cerca de 6% face a 2017. Situação que, a manter-se e sobretudo sob a ameaça do Brexit, poderá provocar, a prazo, a deslocação também desta linha de produção.