Ordem dos Médicos

Centro Hospitalar Tondela-Viseu continuará a receber novos doentes oncológicos

O Centro Hospitalar Tondela-Viseu vai continuar a receber novos doentes oncológicos, contrariamente ao que tinha denunciado a Ordem dos Médicos.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Centro Hospitalar Tondela-Viseu (CHTV) vai continuar a receber novos doentes oncológicos, contrariamente ao que tinha denunciado a Ordem dos Médicos, garantiu à agência Lusa fonte do conselho de administração.

A 23 de maio, o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, disse que o CHTV ia vai deixar de receber novos doentes oncológicos a partir desta sexta-feira, uma situação que classificou de “enorme gravidade”.

“Não se confirma essa situação, vamos continuar a receber novos doentes”, assegurou o conselho de administração.

Segundo a mesma fonte, “tudo continua como tem funcionado, sendo que o conselho de administração está empenhado na resolução dos problemas que afetam o serviço”.

Carlos Cortes tinha criticado o facto de a oncologia ser “um serviço completamente esquecido daquele hospital”, onde a partir de junho haveria apenas dois médicos, além de que os espaços para o tratamento dos doentes oncológicos “são extremamente reduzidos, sem nenhuma condição” para os receber.

O responsável adiantou que a Ordem foi informada pelos diretores das especialidades cirúrgicas de que “todos os meses estão a sair à volta de cem doentes, em média, daquele hospital, simplesmente por razões economicistas”.

“Significa que existe a capacidade técnica dos cirurgiões para intervencionarem esses doentes, mas por decisão do conselho de administração, que entende que é mais barato esses doentes serem operados fora daquele hospital, esses doentes não são operados” no CHTV, adiantou.

Para Carlos Cortes, quando se começa “a pensar desta forma o serviço público de saúde, então significa que é o princípio do fim do SNS [Serviço Nacional de Saúde]”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ordem dos Médicos

Prescrição: Tempo para os nossos doentes

Miguel Guimarães
146

Não é admissível que os doentes sejam confrontados com situações de elevada pressão e condições de trabalho impostas pelo poder político que resultam em desprezo e desrespeito pela dignidade humana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)