Daimler

Ministro ameaça multar Mercedes em 3,75 mil milhões

Depois de uma reunião à porta fechada, entre o ministro alemão dos Transportes e o CEO da Mercedes, o primeiro ameaçou o segundo, segundo o Spiegel, de o multar em 3,75 mil milhões de euros.

Autor
  • Observador

Há ameaças e ameaças e esta, de multar uma empresa em 3,75 mil milhões de euros, faz estremecer qualquer um, especialmente se for acionista ou pertencer à administração, como é o caso. O novo ministro alemão dos Transportes, Andreas Scheuer, que assumiu o lugar apenas em Março, está apostado em ‘limpar a casa’, pelo menos no que respeita aos fabricantes de automóveis que não respeitam as regras do jogo. Scheuer, um protegido da Angela Merkel e membro do partido conservador CSU, começou por deixar bem clara, logo de início, a sua posição: “Não sou amigo dos patrões da indústria automóvel”, declarou.

Sem citar fontes, o sempre bem informado Siegel, especialmente no que toca a assuntos que digam respeito à realidade alemã, informou que Scheuer convidou o CEO da Daimler, o grupo que é liderado pela Mercedes, para uma reunião à porta fechada no ministério. O tema era decidir não se a Mercedes tinha comercializado furgões e automóveis equipados com software ilegal nos motores diesel, mas sim em quantas unidades é que esses motores foram instalados. Na reunião e de acordo com o Spiegel – e noticiado pela Reuters –, foi decidido que seriam no mínimo 750.000 veículos (valor que entretanto subiu para 774.000), o que de acordo com a recém-aprovada lei europeia permite que o fabricante seja multado por uma determinada quantia por cada unidade ilegal comercializada. Andreas Scheuer estimou o valor em 5.000 euros por veículo, o que atira a potencial multa que pesa sobre a Daimler para 3,75 mil milhões de euros.

Um porta-voz do ministério confirmou por email a reunião, bem como o tema, informando que o membro do governo alemão e o patrão da Daimler acordaram definir uma série de pormenores complexos relacionados com as emissões, bem como o número de unidades que necessitam de ser reparadas. Isto acontece no seguimento dos contactos mantidos em Maio, após a agência que regula os transportes na Alemanha (KBA) ter ordenado à Daimler o recall de um número não especificado de furgões Mercedes Vito equipadas com motor diesel 1.6, que acusou de quebrarem os limites impostos para as emissões. A Daimler disse então que ia apelar em relação à decisão da KBA considerar o software ilegal e ameaçou defender-se em tribunal mas, depois, aceitou chamar cerca de 6.300 Vito à oficina. Isto foi apenas o início, pois desde então e segundo o relatório, mais de 80.000 veículos foram entretanto envolvidos pelo recall.

Ainda de acordo com o Spiegel, do problema dos furgões o diferendo evoluiu para os Mercedes Classe C e Classe GLC, o que originou a reunião da passada semana, sob a ameaça de Scheuer impor uma pesada multa ao grupo alemão. As conversações parecem evoluir satisfatoriamente – para o ministério, é claro – com um porta-voz da Daimler a afirmar que comprometeu-se com o ministro a manter a natureza das negociações confidenciais. Isto, contudo, não impede que existam accionistas da Daimler muito preocupados com o nível de exposição do grupo às penalidades, o que coloca o CEO da Daimler, Dieter Zetsche, sob pressão.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)