Espanha

Ministro da Cultura espanhol demite-se após polémica que o envolve em fraude fiscal

431

Durante dois anos, Màxim Huerta utilizou uma empresa de fachada para pagar menos impostos, defraudando o Estado em mais de 218 mil euros. Ministro demitiu-se uma semana depois de tomar posse.

Màxim Huerta tomou posse como ministro da Cultura e do Desporto a 7 de Junho

RODRIGUEZ JIMENEZ/EPA

O ministro da Cultura e do Desporto espanhol tomou posse há menos de uma semana, mas já apresentou a demissão a Pedro Sanchéz. Em causa está uma notícia avançada pelo El Confidencial na terça-feira, que revela que Màxim Huerta utilizou uma empresa de fachada durante dois anos (entre 2006 e 2008) para fugir ao fisco.

Na altura, Huerta era jornalista televisivo e criou uma empresa fictícia para declarar rendimentos através dela — além de ter pago menos impostos do que o que era suposto, apresentou despesas que não estavam relacionadas com a atividade. Por este ato, foi condenado, em 2014, a pagar mais de 365 mil euros às Finanças espanholas. As conta do Fisco revelam que o ministro da Cultura defraudou o Estado espanhol num montante superior a 218 mil euros.

Esta quarta-feira, o ministro entregou a demissão a Pedro Sánchez, apesar de ter dito ao El Pais que este tema estava relacionado com a sua vida enquanto apresentador de televisão e não enquanto ministro. “Aconteceu comigo como com tantos outros jornalistas”, disse, assinalando que “não houve má-fé” e que se trata de uma “caça às bruxas”.

Huerta tomou posse como ministro da Cultura e do Desporto a 7 de Junho. Na altura, foi considera a escolha mais insólita de Pedro Sánchez. O ex-jornalista  tinha escrito no  Twitter que não apreciava muito uma das pastas sobre a qual tem agora responsabilidades, a do Desporto: “Umberto Eco: ‘odeio os desportistas’. Eu, o desporto. Que maneira de sobrevalorizar o físico!”, escreveu em 2010. No Twitter do novo ministro do Desporto é ainda possível encontrar outras referências a essa matéria: Huerta garante que não percebe muito de futebol, mas deixa claro que torce sempre pelo Barcelona.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)