Presidente Trump

O “trailer” de Trump e Kim. Num cinema perto de si (caso viva perto de Singapura)

Durante a cimeira em Singapura, Trump mostrou a Kim Jong-Un, num iPad, um vídeo de quatro minutos feito seguindo a receita dos "trailers" de filmes de ação, com narrador barítono e música dramática.

Uma nova história. Um novo começo, com paz. Dois homens, dois líderes, um destino“. Esta frase, lida com a voz de barítono dos narradores de trailers do cinema, poderia ser a apresentação do novo thriller de Sylvester Stallone e Steven Seagal na década de 90. Mas não é disso que se trata: esta era a mensagem principal do vídeo (com quatro minutos de duração) que Donald Trump mostrou a Kim Jong-Un, num iPad, durante a cimeira desta semana em Singapura, para o encorajar a seguir o caminho da desnuclearização.

Música dramática, imagens portentosas que se sucedem a ritmo rápido e, claro, já mencionado narrador com voz de barítono. Na boa tradição dos trailers de Hollywood, nada faltou nesta produção feita por um pretenso estúdio chamado Destiny Pictures (nome que, por sinal, foi inventado mas que corresponde a uma empresa que existe mesmo e cujos donos garantem não ter nada a ver com “esta propaganda”, segundo o The New York Times).

Destiny Pictures apresenta. Uma história de oportunidade“, diz-se no vídeo, que depois de ser mostrado a Kim Jong-Un foi apresentado aos jornalistas em dois ecrãs-gigantes.

“Tudo depende de uma escolha, neste dia, nesta hora, neste momento. O mundo vai estar a ver, a ouvir, com ansiedade e esperança”, afirma o narrador, ilustrando com estas palavras a sucessão de imagens em que Trump e Kim Jong-Un aparecem em poses magnânimes. “Vai este líder escolher fazer avançar o seu país e torná-lo parte de um novo mundo? Ser o herói do seu povo? Vai ele apertar a mão com a paz [na imagem aparece a mão de Trump] e beneficiar de uma prosperidade como nunca viu? Uma vida excelente — ou mais isolacionismo? Qual é o caminho que será seguido?”.

A paixão pelo cinema é uma característica atribuída, sobretudo, ao pai de Kim Jong-Un, mas diz-se, também, que o líder coreano é um apreciador dos filmes da Disney e da música de Michael Jackson — ou seja, a cultura pop norte-americana não lhe é algo estranho. Talvez por essa razão Donald Trump tenha achado que um “trailer falso” seria uma boa forma de comunicar com Kim Jong-Un e persuadi-lo a assinar o acordo que viria a ser assinado depois de os dois líderes estarem reunidos durante cinco horas.

No fecho, o vídeo apresenta Donald Trump e Kim Jong-Un como protagonistas de “um encontro para refazer a história. Para brilhar sob o sol. Um momento. Uma escolha. E se? O futuro continua por escrever…”

“Acho que ele adorou” o filme, afirmou Trump, questionado pelos jornalistas, depois da cimeira, sobre o filme que também tinha uma versão em coreano. Veja abaixo a versão em inglês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)