Paul Marciano, presidente executivo do conselho de administração (executive chairman) da Guess e um dos fundadores da marca de roupa americana, demitiu-se do cargo depois de uma investigação que concluiu que “cometeu erros de julgamento nas suas comunicações com modelos e fotógrafas” enquanto estava em funções.

Marciano, contudo, ficará no conselho de administração da empresa e será substituído na presidência pelo irmão, Maurice, um dos quatro membros da família que fundou a empresa (os outros são Georges e Armand Marciano), aponta a agência de notícias Reuters.

A polémica em volta das ações de Paul Marciano enquanto presidente executivo do conselho da administração da empresa — muito famosas nos anos 1990 pelas suas calças de ganga jeans — surgiu em fevereiro, quando a modelo e atriz Kate Upson acusou Marciano de usar o poder que detinha sobre as mulheres que trabalharam para a marca para as assediar.

As acusações foram negadas mas deram origem à abertura de uma investigação. Esta, segunda a própria marca, permitiu concluir que muitas das alegações (“que incluíam comentários e mensagens inapropriadas e avanços indesejados” do chairman executivo da empresa) não podiam ser corroboradas. Contudo, a investigação concluiu que, “em certas ocasiões”, Marciano cometeu erros na forma como comunicou com algumas das mulheres que trabalharam para a marca.