Língua Portuguesa

Quase 20 mil alunos de português na Extremadura espanhola, diz governo regional

270

O português como língua estrangeira já é ensinado a "cerca de 20 mil pessoas" na Extremadura, região de Espanha que faz fronteira com o Alentejo e o Centro.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O português como língua estrangeira já é ensinado a “cerca de 20 mil pessoas” na Extremadura, região de Espanha que faz fronteira com o Alentejo e o Centro, revelou hoje o presidente do governo regional extremenho.

Cerca de 20 mil pessoas” estão a aprender português, “neste momento”, disse, em Évora, Guillermo Fernández Vara, presidente da Junta da Extremadura, à margem do III Plenário da eurorregião EUROACE.

Segundo o responsável, o número de alunos de português como língua estrangeira tem vindo a aumentar naquela região espanhola porque os habitantes “puderam comprovar que isso lhes permite ter saídas laborais”.

“Neste momento, Portugal está quase com um pleno emprego, o desemprego é técnico, com números abaixo dos 10%”, enquanto, em Espanha e na Extremadura, “os valores ainda são muito mais altos”, explicou.

Por isso, continuou, “as pessoas estão a descobrir que Portugal é uma boa oportunidade” e, à medida que as vias de comunicação melhoraram, aperceberam-se de que “Lisboa está a um ‘salto’ de Extremadura”.

A língua, frisou, é utilizada “como uma oportunidade de futuro para o trabalho” e “há muita gente, não só nas escolas, mas também na formação contínua e na laboral que quer que o português esteja presente nos currículos”.

Portugal e o Governo da comunidade espanhola da Extremadura assinaram, no passado dia 15 de maio, em Mérida, um memorando de entendimento para consolidar o ensino do português como segunda língua estrangeira no sistema educativo não universitário daquela região.

O memorando, revelou na altura a Embaixada de Portugal em Madrid, vai permitir o desenvolvimento de “iniciativas transfronteiriças em matéria de formação, ensino, aprendizagem e promoção das línguas e das culturas portuguesa e espanhola no âmbito não universitário”.

No plenário da EUROACE realizado esta quarta-feira em Évora, a presidência da eurorregião transitou da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo para a CCDR Centro, presidida por Ana Maria Abrunhosa, para o mandato que abrange o próximo quadriénio.

A EUROACE foi a primeira eurorregião de composição tripartida a ser criada na fronteira luso-espanhola, em 2009, para impulsionar as relações de cooperação e reforçar estratégias de colaboração entre o Alentejo, Centro e Extremadura.

O presidente da Junta da Extremadura garantiu que “muitos dos sonhos” que levaram à eurorregião “estão a concretizar-se” e que, atualmente, a cooperação entre as três regiões faz-se de forma “absolutamente natural, transversal e normal”, devendo ser dada prioridade, no próximo ciclo, às questões ligadas à ciência e à tecnologia.

Já o presidente da CCDR Alentejo, Roberto Grilo, congratulou-se por, nos últimos quatro anos, a eurorregião ter definido uma estratégia de especialização inteligente e contribuído para criar “um contexto” que permitiu o avanço “dos principais projetos” de cooperação, como a linha ferroviária entre Évora e a fronteira do Caia, Elvas (Portalegre), com ligação a Espanha.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)