Exposições

Duas obras de José Malhoa cedidas pelo Novo Banco a museu de Caldas da Rainha

O Novo Banco vai ceder duas obras do pintor José Malhoa ao Museu José Malhoa, nas Caldas da Rainha. As obras ficarão em exposição permanente.

CARLOS BARROSO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Duas obras do pintor José Malhoa (1855-1933) vão ser cedidas ao Museu José Malhoa, de Caldas da Rainha, pelo Novo Banco, através de um protocolo com a autarquia local, foi anunciado esta quinta-feira pela instituição bancária.

De acordo com o Novo Banco, as obras serão cedidas num protocolo a assinar no domingo, pelas 14h45, com a Câmara Municipal das Caldas da Rainha, provenientes da coleção de pintura daquela entidade financeira. Estas obras ficarão em exposição permanente no Museu José Malhoa.

O protocolo será assinado pela diretora regional da Direção Regional de Cultura do Centro, Celeste Amaro, e pelo presidente do Novo Banco, António Ramalho. A iniciativa insere-se no âmbito do projeto NB Cultura, criado com o compromisso de disponibilizar ao público o património cultural e artístico do Novo Banco, através de parcerias com entidades públicas e privadas, como universidades e museus, de âmbito nacional e regional.

Recentemente, foi assinado, neste âmbito, um protocolo com a Câmara Municipal da Guarda para a cedência de obras dos artistas João Hogan, Nikias Skapinakis, José de Guimarães, Júlio Resende e Luís Pinto Coelho, que ficarão em exposição permanente no Museu da Guarda.

Em abril, o Novo Banco assinou, em Castelo Branco, com o Museu Francisco Tavares Proença Júnior, outro protocolo para a cedência de uma pintura do século XVII, atribuída a Jan Fyt, pintor flamengo de naturezas mortas. Em janeiro, foi assinado um protocolo com o Museu Nacional dos Coches, para cedência da pintura a óleo sobre tela, “Entrada pública em Lisboa do Núncio Apostólico Monsenhor Giorgio Cornaro”, realizada em finais do século XVII.

No passado dia 18 de maio, Dia Internacional dos Museus, foi também assinado um protocolo com o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), para a cedência do retrato da Condessa de Verdun, Anne Catherine Le Preudhomme, pintado por Elisabeth Louise Vigée Le Brun, uma das mais importantes pintoras francesas da segunda metade do século XVIII. Este retrato, nunca antes exposto, ficou integrado na exposição permanente do MNAA.

Em fevereiro, o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, disse à Lusa que a coleção de fotografia do Novo Banco deverá ficar instalada no Convento São Francisco, em Coimbra.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)