Greve

Greve dos trabalhadores ferroviários suprimiu 46% dos comboios da CP

A empresa de transporte de passageiros precisou terem sido realizados 78,5% dos serviços de longo curso programados, enquanto a nível regional cumpriu-se 63,2% da operação prevista.

MARIO CRUZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A greve de terça e quarta-feira dos trabalhadores ferroviários com local de trabalho entre Coimbra e Vila Real de Santo António suprimiu 46,4% dos comboios da CP, informou esta quinta-feira a empresa pública.

A empresa de transporte de passageiros precisou terem sido realizados 78,5% dos serviços de longo curso programados, enquanto a nível regional cumpriu-se 63,2% da operação prevista.

Nos serviços Urbanos de Lisboa efetuaram-se 43,3% dos comboios programados, segundo a CP, que notou que os “números agora disponibilizados correspondem, com rigor, ao número de circulações que efetivamente foram asseguradas”.

Na quarta-feira, o presidente do Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI) garantiu que “foi total” a adesão dos trabalhadores à greve da CP e empresas de transporte de mercadorias.

Em declarações à agência Lusa, Luís Bravo afirmou que a “adesão foi total”, com exceção dos trabalhadores escalados para os serviços mínimos de uma “luta relacionada com a segurança da circulação, dos utentes e dos postos de trabalho”.

A paralisação – a segunda este mês – está relacionada com “questão do agente único” (revisor). “A luta vai continuar nos dias 23 e 24” de junho, desta vez abrangendo os trabalhadores a norte de Coimbra, garantiu ainda o dirigente.

Pouco antes de a greve se iniciar na terça-feira, o presidente da CP, Carlos Nogueira estimava que a contabilidade dos prejuízos “não andará longe de 700 mil euros”, mas que os números exatos serão conhecidos mais tarde.

Sobre a anterior greve, no passado dia 4, o responsável revelou que a perda de receita para a empresa foi de 1,3 milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

PSD: tanta Silva e Penedos no Rio

José Pinto

As sondagens provam que a erosão do PS de Costa não é acompanhada pela subida firme ou sustentada do PSD. Há uma orfandade que pode abrir espaço para o surgimento de uma nova proposta partidária.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)