Incêndios

Incêndios. CDS pressiona Governo com questões para sete ministérios e primeiro-ministro

102

Assunção Cristas anunciou que CDS vai fazer 31 perguntas ao Governo sobre prevenção da época de incêndios deste ano e apoio dado às vítimas dos incêndios de junho e outubro de 2017.

ARMÉNIO BELO/LUSA

O CDS enviou 31 perguntas ao Governo sobre o apoio dado às populações afetadas nos incêndios de 2017 e a prevenção da época que agora se inicia. No dia em que se completa um ano dos incêndios de Pedrógão Grande, o CDS promete continuar a “pressionar o Governo” com perguntas e propostas nesta área. As questões enviadas, via Parlamento, a sete ministérios e ao primeiro-ministro pretendem saber, por exemplo, quantas casas já estão reconstruídas e se os meios de combate aos incêndios estão já devidamente disponíveis para a época que agora se inicia.

Em conferência de imprensa na sede do CDS, a líder Assunção Cristas avisa que “sem a resposta a estas perguntas” de uma forma clara “ninguém garante” que “não serão repetidas as falhas do Estado” que marcaram os incêndios de 2017. Cristas diz que o CDS sente que tem “responsabilidade de trazer estas questões para a primeira linha da atualidade” e lembra que não deixa de pressionar o Governo porque isso “tem efeitos“.

As perguntas do CDS são para as mais variadas áreas, tendo a líder selecionado algumas das mais importantes na conferência de imprensa. Ao ministro do Planeamento e Infraestruturas, por exemplo, é perguntado: “Quantos portugueses ainda se encontram sem acesso a telecomunicações, após os incêndios de 2017?” Ao mesmo ministro (Pedro Marques) é perguntado quantas das 157 casas de 1ª habitação já foram entregues aos proprietários e também quantas casas de 2ª habitação têm a obra contratualizada em cada um dos municípios afetados.

Ao ministro da Agricultura, Capoulas Santos, é perguntado, a nível da limpeza da floresta, se está concluída “sobretudo nas áreas definidas como de maior perigosidade” e se todos os agricultores que pediram apoio viram as suas candidaturas aprovadas.

Já ao ministério da Justiça é perguntado quantos pedidos de indemnização das vítimas existiram e quantas dessas indemnizações foram pagas até agora.

O ministério da Administração Interna é questionado sobre meios para o combate aos incêndios deste verão, com perguntas como: “Quantos efetivos foram recrutados para os GIPS/GNR?” ou “Quantos meios aéreos foram contratados até à data?” O ministério da Saúde também é questionado em matéria de prevenção e reforço de meios. O CDS quer saber, por exemplo, “se está devidamente acautelada a deslocação de meios do INEM, em particular para a região centro do País, de forma a que as populações possam ser socorridas atempadamente e o INEM não entre em rutura.”

O primeiro-ministro também não escapa à longa lista de perguntas. Ao primeiro-ministro é perguntado “em que ponto está a elaboração do Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Drogas

O Ben Está de Volta...

João José Brandão Ferreira

Agora é a liberalização da cultura da cannabis, com a desculpa que tem efeitos medicinais. Mas então porque não se faz o mesmo com os opiáceos, usados para retirar a dor em doentes terminais?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)