Angola

Instituto do Sangue angolano lança hino para incentivar doação voluntária

A música, uma composição dos cantores angolanos Filipe Zau e Filipe Mukenga, foi apresentada em Luanda durante o ato central do Dia Mundial do Dador de Sangue.

MOHAMMED BADRA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Instituto Nacional de Sangue (INS) de Angola procedeu esta quinta-feira à apresentação da música “Vida é Sangue”, como o hino oficial da Campanha Nacional de Incentivo à Dádiva de Sangue Altruísta e Regular no país.

A música, uma composição dos cantores angolanos Filipe Zau e Filipe Mukenga, foi apresentada em Luanda durante o ato central do Dia Mundial do Dador de Sangue, e segundo o INS “visa sensibilizar a nação angolana a doar sangue ante a escassez de dadores voluntários que o país regista”.

“Sangue é vida, vida é sangue, é salvar, sorrir e festejar. Sê altruísta. Um dia, de sangue podes vir a precisar. Sê amigo solidário, ao seres um dador não é pois nenhum favor, mas sim um ato de amor. Doa sangue, doa vida”, são os versos da música.

A par de Filipe Zau e Filipe Mukenga, os músicos angolanos Gary Sinedima, Anabela Aya, Toty Samed e Catiliana também participaram neste hino, interpretado hoje ao vivo durante a cerimónia.

Em declarações aos jornalistas, a cantora Catiliana manifestou-se “radiante” por fazer parte da Campanha Nacional de Incentivo à Dádiva de Sangue Altruísta e Regular, afirmando ter abraçado a causa “com muito apreço”. “Nunca estive envolvida numa causa dessas, principalmente no que se refere à doação de sangue e logo que recebi o convite de Filipe Mukenga abracei o projeto com muito gosto. Dei a minha voz, é o meu modesto contributo para esta campanha que deve envolver todos”, apontou. Doar sangue, acrescentou, “é importante, é fulcral e deve ser uma ação solidária feita diariamente”.

Angola registou em 2017 cerca de 151.000 dadores, 126.000 familiares e 11.000 voluntários, tendo sido colhidas 138.000 unidades de sangue, longe das 360.000 unidades de que o país precisa anualmente, anunciaram hoje as autoridades.

“Faça a diferença na vida de alguém. Dê sangue e partilha a vida” foi lema das celebrações do Dia Mundial do Dador de Sangue, cujo ato central em Angola, decorreu no Cine Atlântico, em Luanda.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turquia

A solidão de Erdoğan /premium

Diana Soller

A Turquia é um Estado tampão que retém cerca de três milhões de refugiados – a maioria oriundos da Síria. Um gesto mais irrefletido de Erdoğan pode levar a uma crise sem precedentes na Europa.

Governo

O fracasso da geringonça /premium

Alexandre Homem Cristo

No domínio táctico, a geringonça foi uma vitória das esquerdas. No domínio político, não é mais do que a capitulação de PCP/BE em troca de acesso ao poder, mas nunca de real influência na governação.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)