457kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

A homenagem que os militares portugueses na República Centro-Africana prestaram à seleção

Este artigo tem mais de 4 anos

Os paraquedistas em missão na República Centro-Africana deixaram uma mensagem de apoio à seleção nacional. Os militares criaram um álbum de fotos com bandeiras e cachecóis. Veja-o aqui.

14 fotos

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Estão a quase 10 mil quilómetros de Sochi mas nem por isso deixaram de apoiar a seleção nacional à distância: os militares paraquedistas portugueses em missão na República Centro-Africana gravaram um vídeo e deixaram-se fotografar para enviar uma mensagem de apoio à seleção nacional que está na Rússia para o Mundial de 2018: “Enfrenta hoje o seu primeiro combate na Rússia. Em qualquer ponto do globo, somos Portugal!”, dizia a mensagem.

O vídeo com 25 segundos mostra um grupo de militares portugueses com capacetes azuis em redor da bola oficial do Mundial 2018 na Rússia. Um desses militares, que representa os outros, chuta depois a Telstar como se a estivesse a enviá-la para Sochi, onde Portugal joga a primeira partida do Mundial frente à vizinha Espanha.

Tanto o vídeo como as fotografias foram partilhadas na página que as Forças Armadas Portuguesas mantêm no Facebook: “Hoje e sempre, com espírito guerreiro, somos Portugal! Os militares portugueses, que também afirmam Portugal nas missões em diferentes pontos do globo, apoiam a seleção nacional no Mundial de Futebol”, lê-se na descrição das fotografias nas redes sociais.

Esta mensagem surge uma semana depois de os militares portugueses terem sido alvo de contestação por parte da população de Bambari, onde estão alojados, e terem sido acusados de crimes contra a humanidade. As Nações Unidas já vieram defender os portugueses e falam de “uma manipulação usada para acicatar as tensões religiosas e da comunidade”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.