Da festa à desilusão e de novo à festa, mais de dois mil adeptos da seleção viveram, em Portimão, uma autêntica montanha russa de emoções durante o jogo de estreia de Portugal no Mundial de futebol.

Do golo inaugural de Cristiano Ronaldo à reviravolta espanhola, os fãs da “equipa das quinas” que se deslocaram ao Futebol Park Alameda, em Portimão, acabaram por desfrutar o seu melhor momento a dois minutos do final, quando o capitão português selou a igualdade a três bolas.

“Foi sofrer até ao último minuto, mas o nosso destino é mesmo este. Foi o primeiro jogo, faltam limar umas arestas. Ficava mais satisfeito com uma vitória, porque contra os espanhóis temos de ganhar sempre”, disse Carlos Martins à agência Lusa, logo após o apito final. Outra adepta, com a irmã mais nova ao colo, confessava o seu “nervosinho” ao longo da partida frente aos espanhóis, na estreia lusa no Mundial2018, que se disputa na Rússia. “Queríamos ganhar hoje, mas o empate já foi bom”, atirou, manifestando-se “confiante” de que Portugal vai ganhar a competição.

O Futebol Park Alameda, situado na Praça da República, o primeiro espaço do género montado em Portimão para grandes eventos de futebol, já estava animado antes da partida inaugural e, às dezenas de pessoas que assistiram ao Irão-Marrocos (1-0), foram-se juntando milhares à medida que os minutos iam passando antes do apito inicial.

Os adeptos portugueses manifestavam-se confiantes, fazendo fé nos créditos adquiridos pela equipa de Fernando Santos há dois anos e na qualidade do “melhor jogador do mundo”, como muitos caraterizaram Cristiano Ronaldo.

“O melhor resultado para nós era o empate”, vaticinava uma jovem à reportagem da agência Lusa, vestida a rigor, antes do apito inicial e, logo ao lado, a presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, era apenas mais uma fã a empunhar o seu cachecol, antecipando uma vitória, “nem que seja por 1-0”.

Também dois adeptos estrangeiros, um australiano e um sul-africano, clamavam o seu apoio a Portugal, elogiando “as pessoas simpáticas, a comida boa e barata” e a “grande paixão” que os jogadores põem em campo.

“A Portuguesa” pôs os fãs lusos a cantar em uníssono, antes do carrossel de emoções que os 90 minutos frente à Espanha impuseram logo a partir do quarto minuto, quando Cristiano abriu a contagem.

A vantagem momentânea ao intervalo fazia vibrar os adeptos de Portimão em direção aos comes e bebes, mas o início da segunda parte trouxe a reviravolta da Espanha, com dois golos do “vilão” Diego Costa. O desânimo impôs-se nas hostes portuguesas até que, a dois minutos do final, a felicidade irrompeu pelo Futebol Park Alameda.

Assim que o árbitro apitou o livre, já havia fãs a garantir que Ronaldo marcaria golo, presságio que o capitão português confirmou para gáudio dos mais de dois mil adeptos presentes no espaço.