A Toyota prepara-se para introduzir no mercado o renovado Aygo. É o citadino do fabricante nipónico, apesar de ser produzido na Europa – na fábrica da marca em Kolin, na República Checa, onde os japoneses produzem também o Citroën C1 e o Peugeot 108 –, sendo visto como um modelo urbano e para condutores jovens, apesar de ser igualmente o veículo por excelência de acesso à gama, ao ser de longe o mais acessível.

Esta geração do Aygo foi introduzida em 2014 e, após cerca de quatro anos de bons serviços, foi decidido que era altura de refrescar a imagem. E, de caminho, retirar aquele marcado X que sempre caracterizou a sua frente – talvez em demasia –, suavizando-o e retirando-lhe a componente a negro. O resultado é uma nova frente com personalidade, mas mais consensual, o que só pode trazer vantagens e dar um empurrão às vendas do citadino nipónico, uma vez que ao contrário dos seus “irmãos” da Citroën e Peugeot, o Toyota será o único a beneficiar de um restyling.

Além da nova frente, o Aygo que mantém um comprimento de apenas 3,5 metros, o que o torna ideal para a cidade, usufrui de novos farolins traseiros e da possibilidade de oferecer uma carroçaria em dois tons, o que agradará aos que gostam de personalizar os seus veículos, mesmo se acessíveis. Sob a carroçaria, as suspensões e a direcção beneficiaram de algumas melhorias, tornando o modelo mais ágil e agradável de conduzir, tanto em cidade como em estrada, como aliás tivemos oportunidade de verificar.

O motor continua a ser o 1.0 de três cilindros a gasolina, mas também ele renovado, com a introdução de um sistema de alimentação com dois injectores, para optimizar a mistura e cumprir as novas normas de emissões, além de um dispositivo variador de fase na árvore de cames de escape e um novo veio de equilíbrio, para reduzir vibrações. O resultado foi a potência subir de 68 para 72 cv, enquanto o consumo desceu de 4,2 para 3,8 litros – apesar dos carros destinados ao nosso mercado continuarem nos 4,2 l, uma vez que não dispõem de Star&Stop.

Por dentro, o pequeno Toyota não parece tão pequeno assim, com uma construção sólida, sem ruídos parasitas e um bom nível de conforto. E, para estar mais de acordo com as necessidades dos mais jovens, oferece mais possibilidades de conectividade, aceitando já o Apple CarPlay e o Android Auto, para transpor tudo – até o sistema de navegação – do telemóvel para o ecrã do modelo, além de permitir o controlo através de comandos por voz, facilitando a tarefa do condutor.

O renovado Aygo estará disponível em Portugal a partir de Setembro e com duas novas cores, propondo quatro níveis de equipamento (X-Play, X-Play +, X-Clusiv e X-City). Os preços ainda não estão todos disponíveis, mas a Toyota avança que a versão mais acessível arranca nos 11.295€ (X-Play), com a evolução face ao modelo anterior a nunca ultrapassar 250€, ou seja, menos do que o valor atribuído ao equipamento de que o modelo passa agora a beneficiar.