Impostos

Hoje é o Dia da Libertação de Impostos. Portugueses trabalharam 168 dias para o Estado

2.001

Só a partir de 16 de junho é que os portugueses deixam de trabalhar para pagar impostos e passam a ganhar exclusivamente para si. Em média, foram 168 dias a trabalhar para cumprir obrigações fiscais.

No ano passado, o Dia da Libertação de Impostos chegou mais cedo: 11 de junho de 2017

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Este sábado celebra-se o Dia da Libertação de Impostos. Isto é, a partir de 16 de junho, tudo o que o contribuinte ganhar em termos líquidos é exclusivamente para si, já que até agora, em média esteve a trabalhar para pagar os seus impostos ao Estado.

De acordo com a consultora Deloitte, os portugueses tiveram de trabalhar durante 168 dias só para cumprirem as suas obrigações fiscais. Mais dias do que outros países da União Europeia, entre eles Espanha (152), Irlanda (144), Polónia (149) e Reino Unido (151). A Roménia foi o país onde os contribuintes estiveram menos dias a pagar os seus impostos: 124.

Mas há ainda contribuintes de outros Estados-membros que vão continuar a trabalhar para pagar ao Fisco, nomeadamente Alemanha (174), Grécia (187), Itália (189), Dinamarca (200) e França (208).

No ano passado, o Dia da Libertação de Impostos chegou mais cedo, mais concretamente a 11 de junho, segundo o estudo “The tax burden of typical workers in the EU 28” (“O fardo fiscal dos trabalhadores médios na Europa a 28”) do Instituto Económico Molinari.

Este é um cálculo que já se faz há vários anos em países europeus e nos Estados Unidos. No caso da Deloitte, o método utilizado este ano para chegar ao Dia da Libertação Fiscal foi “dividir o ano em duas partes, num rácio correspondente à proporção do montante total de impostos arrecadado e o rendimento nacional líquido”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Solidariedade

Caridade com o dinheiro dos outros

Telmo Azevedo Fernandes
348

Quanto mais nos sentirmos roubados pelo Estado, menor a disposição em sermos solidários para com o próximo. E mais os beneficiários se sentirão no “direito” de ser ajudados, perpetuando a mendicidade.

Impostos

Sejamos todos Robin dos Bosques

Rodrigo Saraiva
252

O protesto é uma arma da democracia, mas deve estar ligado directamente ao voto e não à violência. Sejamos todos Robin dos Bosques contra o saque fiscal. Há uma diferença entre o imposto e o esbulho. 

Inovação

Transformação: o segredo da inovação /premium

Sebastião Lancastre

As sociedades caminham no sentido de desmaterializar o dinheiro, tornando-o invisível nas nossas vidas. Na Suécia há centenas de lojas que já dizem, à entrada, que não aceitam dinheiro físico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)