O indicador de atividade económica, disponível até abril, e o indicador de clima económico, até maio, aumentaram em Portugal, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Na zona euro, em maio, o indicador de confiança dos consumidores estabilizou e o indicador de sentimento económico diminuiu. Em Portugal, o INE divulgou que o indicador quantitativo do consumo privado aumentou em abril, “refletindo um contributo positivo mais expressivo de ambas as componentes, consumo duradouro e não duradouro”.

Já o indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) abrandou em abril, devido ao contributo positivo menos intenso de todas as componentes, máquinas e equipamentos, construção e material de transporte, esta última com o abrandamento mais intenso. “Em termos nominais, as exportações e importações de bens apresentaram variações homólogas de 5,2% e 7,1% em abril, respetivamente (2,9% e 6,6% em março)”, lembra o INE.

Considerando a atividade económica da perspetiva da produção, “os índices de produção na indústria e na construção aceleraram em abril, à semelhança do verificado no índice de volume de negócios na indústria”, enquanto “o índice de volume de negócios nos serviços desacelerou”.

Em abril, a estimativa provisória mensal para a taxa de desemprego (15 a 74 anos) ajustada de sazonalidade, situou-se em 7,4% (taxa inferior em 0,1 pontos percentuais ao valor definitivo verificado no mês anterior), o que compara com 7,9% e 9,5% há três meses e há um ano, respetivamente.

A estimativa da população empregada (15 a 74 anos), ajustada de sazonalidade, registou um crescimento homólogo de 2,1% (2,7% em março) e uma diminuição em cadeia de 0,2%. O instituto lembra ainda que o Índice de Preços no Consumidor (IPC) apresentou uma variação homóloga de 1,0% em maio (0,4% em abril), observando-se uma taxa de variação de 0,6% na componente de bens (0,3% no mês anterior) e de 1,7% na de serviços (0,6% no mês precedente).