Rádio Observador

Economia

Banco de Portugal preocupado com pior cenário de guerra comercial

Instituição mantém previsões de março, mas alerta que os riscos estão a aumentar. Contas do banco central dizem que economia pode perder até 2,5% do PIB no pior cenário de uma guerra comercial.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Banco de Portugal manteve esta quinta-feira a previsão de que a economia portuguesa vai abrandar já este ano e assim continuará até 2020, mas está preocupado com o impacto das tensões comerciais entre os Estados Unidos, a China e a União Europeia. O banco central fez estimativas e diz que, no pior cenário, economia portuguesa pode cair 2,5% ao fim de três anos de conflito. Preços subiriam 0,4%.

Para já, tudo na mesma, mas há cada vez mais nuvens sobre a economia portuguesa. O Banco de Portugal apresentou esta quinta-feira o Boletim Económico de junho, com novas projeções para a economia portuguesa, mas o crescimento esperado para os próximos três anos é o mesmo que o esperado em março.

Nas contas da instituição liderada por Carlos Costa, a economia deverá crescer 2,3% este ano, um abrandamento face aos 2,7% registados no ano passado. O abrandamento esperado faria com que este fosse o último ano de convergência com a média europeia. Em 2019, espera-se que o ritmo de crescimento volte a abrandar para os 1,9% e em 2020 novamente, para os 1,7%, tal como já se antecipava em março.

No entanto, apesar de o resultado final ser basicamente o mesmo, o crescimento esperado chegará mais por via interna. As exportações e as importações deverão crescer significativamente abaixo do esperado há três meses, mas o consumo privado e o consumo público deverão compensar esta revisão em baixa.

Outro fator importante é, novamente, o crescimento do emprego acima do esperado pelo Banco de Portugal, que reviu em alta o crescimento esperado de 1,9% para 2,6%. Este tem sido um dado que tem surpreendido pela positiva o Banco de Portugal, trimestre após trimestre.

Trump e populistas na Europa são a maior ameaça

A conjuntura externa volta a ser a maior ameaça às previsões que o Banco de Portugal faz para a economia portuguesa, mas desta vez a preocupação é maior e merece mesmo uma caixa dedicada ao principal destes: as tensões comerciais com os Estados Unidos.

O Banco de Portugal fez estimativas a impacto sobre a economia portuguesa de uma guerra comercial em dois cenários diferentes. Num deles, havia uma escalada limitada das medidas que já estão a ser aplicadas, caso da criação de tarifas sobre a importação de bens, em que as partes retaliariam contra a imposição destas medidas, mas não iriam mais além.

Neste cenário, ao fim de três anos, a economia portuguesa perderia 0,7% do PIB e os preços subiriam 0,4%.

Num cenário mais extremo, em que a guerra comercial levaria a que todos os países impusessem este tipo de medidas por princípio, as consequências seriam significativamente mais negativas: a economia portuguesa perderia 2,5% do PIB ao fim de três anos; os preços subiriam 1,4%. Isto, só em resultado direto.

Apesar de, em especial o segundo cenário, se tratar de um cenário hipotético e, para já, ainda longe de acontecer, as estimativas feitas sobre o impacto foram-no de forma conservadora, o que significa que a concretizar-se qualquer um destes cenários, o impacto na economia portuguesa poderia ser muito superior.

Os riscos de Portugal vão além das decisões de Donald Trump – e da retaliação dos afetados. O Banco de Portugal alerta ainda para a incerteza política na área do euro e a possibilidade do regresso das tensões aos mercados financeiros, como se viu recentemente com a incerteza em torno do novo governo italiano, até porque os maiores parceiros comerciais de Portugal estão na zona euro (Espanha, França e Alemanha).

Constrangimentos estruturais impedem maior crescimento

O Banco de Portugal termina fazendo o mesmo apelo às autoridades portuguesas, de que é preciso aproveitar o enquadramento económico e financeiro favorável para corrigir os constrangimentos estruturais ao crescimento de longo prazo, os quais “ajudam a explicar o abrandamento da atividade económica ao longo do período do horizonte”, ou seja entre 2018 e 2020.

Os problemas identificados são os mesmos: o elevado endividamento da economia portuguesa, tanto público como privado, a falta de qualificações dos trabalhadores, o desemprego de elevada duração e a necessidade de investimento nos setores mais produtivos da economia.

Apesar de as questões não serem novas, o enquadramento externo mais desfavorável e os riscos que o banco central identificou torna mais urgente a resolução destes problemas estruturais, especialmente numa altura em que os bancos centrais estão a começar a dar os primeiros passos para a retirada dos estímulos extraordinários que têm dado para suportar as economias em tempo de crise. A retirada destes estímulos pode agravar as condições que o Estado se financia no mercado, perdendo aquela que foi uma das grandes muletas da recuperação económica portuguesa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)