CGTP

CGTP promete guerra ao Governo caso nova legislação laboral avance

Arménio Carlos afirmou que a legislação laboral proposta "não pode passar e, se porventura o Governo teimar em fazê-la andar para a frente, naturalmente que se abre aqui uma linha de conflito".

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) considerou esta quinta-feira que a nova legislação laboral proposta pelo Governo é uma “declaração de guerra aos trabalhadores”, razão pela qual, se avançar, terá igual resposta desta estrutura.

“Esta legislação não pode passar e, se porventura o Governo teimar em fazê-la andar para a frente, naturalmente que se abre aqui uma linha de conflito aberto porque esta legislação é uma declaração de guerra aos trabalhadores e, sobretudo, aos sindicatos da CGTP”, afirmou Arménio Carlos.

Falando à agência Lusa no final do Plenário Nacional de Sindicatos, que decorreu em Lisboa, o responsável garantiu: “Nós não procuramos a guerra, somos sempre adeptos da paz, mas se nos estão a declarar guerra naturalmente não podemos deixar de responder indo à guerra”. “E quando dizemos ir à guerra é com todos os meios que estão ao nosso alcance. Esses meios são sempre a força da razão, da coerência e, sobretudo, da proposta”, acrescentou.

Ao todo, foram cerca de 800 os dirigentes e delegados sindicais da Intersindical, provenientes de todo o país e de todos os setores de atividade, que participaram no Plenário Nacional de Sindicatos, que decorreu no Fórum Lisboa, para discutir a revisão da legislação laboral resultante do acordo de concertação social assinado na segunda-feira.

A CGTP foi o único parceiro social que não assinou o acordo tripartido por o considerar contrário aos interesses dos trabalhadores e ao desenvolvimento do país. Para a central sindical, o acordo acentua desequilíbrios na repartição da riqueza, põe em causa a segurança no emprego, perpetua a precariedade, ataca a contratação coletiva e reduz direitos e rendimentos dos trabalhadores.

Em causa estão medidas como o alargamento dos contratos de muita curta duração e do período de experiência de jovens e desempregados, a criação de uma taxa sobre a rotatividade com exceções e a limitação dos contratos e termo e temporários, entre outras. Para sustentar a sua oposição, a CGTP vai fazer pareceres sobre a revisão do Código do Trabalho, como o que foi hoje entregue no Ministério do Trabalho após o plenário, visando “denunciar esta atitude do Governo” ao querer avançar com a nova lei.

Entre outras ações, a CGTP vai também promover um “momento de convergência da luta” ao chamar ao parlamento, no dia 06 de julho, que é para quando está prevista a discussão sobre a nova lei, trabalhadores do setor privado e público, que assistirão ao debate.

Além disso, “vamos intervir de uma forma muito generalizada em diversas frentes, desde logo nos locais de trabalho, onde vamos intensificar toda a ação de esclarecimento” e ainda “continuar a expressar a nossa contestação na rua”, assinalou.

A CGTP está, ainda, a solicitar reuniões aos partidos de esquerda com assento parlamentar, estando o primeiro encontro marcado para sexta-feira com o PCP. Arménio Carlos acusou ainda o executivo de “manipulação grosseira”, exigindo que assuma “as suas responsabilidades relativamente a esta matéria”. “Não pode estar a dizer que quer combater a precariedade, mas depois estar a criar condições para ir ao encontro das posições quer das confederações patronais, quer da direita”, notou.

Falando no final de uma pequena marcha entre o Fórum Lisboa e o Ministério do Trabalho – durante a qual foram ouvidas palavras de ordem como “precariedade é injusta, as trabalhadores estão em luta” e “mais salário, menos horário” – Arménio Carlos observou que “estes trabalhadores estão a ser agredidos por este Governo e por este acordo”. “E as pessoas quando são agredidas têm o direito de se defender”, adiantou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
100

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)