IEFP

Número de desempregados inscritos no IEFP cai em maio para mínimo de quase 16 anos

Número de desempregados inscritos nos centros de emprego caiu para 350.174 no mês de maio. É preciso recuar quase 16 anos (até agosto de 2002) para encontrar um número mais baixo do este.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 19% em maio, face a igual mês de 2017, para 350.174 pessoas, caindo 6,9% face ao mês anterior, segundo dados divulgados esta quinta-feira pelo IEFP.

De acordo com os dados disponíveis na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2017, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (-21,2%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (-18,1%), os inscritos há um ano ou mais (-21,2%), os que procuravam novo emprego (-18,7%) e os que possuem como habilitação escolar o 1.º ciclo básico (-21,7%), e ainda ensino secundário(-17,1%).

De acordo com a série longa do IEFP, é preciso recuar quase 16 anos (até agosto de 2002) para encontrar um número mais baixo do que o apurado para o mês de maio. O desemprego jovem teve um decréscimo homólogo de 25,9% (menos 12,3 mil pessoas) e uma diminuição em cadeia de 10,3% (menos 4 mil pessoas), situando-se nos 35 mil jovens.

O desemprego de longa duração recuou 21,2% na comparação homóloga, com um decréscimo de 46,4 mil pessoas inscritas há mais de 12 meses nos centros de emprego, e ficou nas 172,5 mil pessoas (menos 5,6% face ao mês de abril). A redução homóloga foi transversal a todas as regiões do país, com destaque para os decréscimos de 22,2% no Algarve e Alentejo.

O desemprego diminuiu em todos os setores de atividade, com a maior redução homóloga a registar-se mais uma vez no setor da construção, onde o desemprego recuou 28,2% (menos 10,6 mil pessoas). A diminuição do desemprego na construção teve um contributo de 15% para diminuição homóloga do número de desempregados à procura de novo emprego.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)