Caso clássico: o gato subiu para cima de uma árvore e depois não conseguiu descer sozinho. Solução: chamar os bombeiros para salvar o bichano. Problema: o bombeiro usou jatos de água para fazer o gato cair, o resgate foi filmado e partilhado nas redes e o PAN apresentou uma queixa crime contra o bombeiro.

“Para o PAN, existem provas que consubstanciam a existência de um ato de maus tratos de acordo com a Lei n.º 69/2014, de 29 de Agosto, que criminaliza os maus tratos a animais de companhia”, refere o partido em comunicado enviado às redações. “Para além da queixa-crime apresentada, o partido enviou um pedido de esclarecimentos ao comando da corporação dos bombeiros desta localidade, aguardando agora uma resposta.”

Segundo o Diário de Notícias, o Grupo de Intervenção e Resgate Animal (GIRA) também apresentou queixa ao Ministério Público, ao SEPNA (Serviço de Proteção na Natureza e do Ambiente), que fez o encaminhamento para a PSP, e ao PAN (Pessoas-Animais-Natureza).

Video da ocorrência 2018160026326 ANPC 20 junho2018 18h41m-19.09

21-06 – Recebemos um esclarecimento de alguém ligado à Câmara Municipal de Ponte de Lima, corrigindo no nosso texto que se trata do Corpo de Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima e não Municipais, corporação que aliás nos merece todo o respeito e que muito estimamos, sendo que é composta por pessoas extremamente dedicadas e que vestem a "camisola" dia após dia pelo bem-estar de todos nós.Fica reposta a verdade.Avisamos também que excluiremos os comentários de pessoas que se insultem mutuamente e que não se refiram à situação concreta.Centremo-nos na questão do animal e da ocorrência ou não de uma situação criminalizável nos termos da lei. Em termos éticos e morais, o video fala por si e nada temos a acrescentar.—————————————————————————————————21-06 – COMUNICADO (Atualização): A ALAAR tinha recebido na passada 6ª feira dia 15 da parte da tarde um telefonema pedindo ajuda para um gatinho empoleirado numa árvore no mesmo local. Ligámos para os bombeiros pedindo uma intervenção. Duas horas depois ligámos de novo e foi-nos dito que os bombeiros ainda lá estavam a tentar. Consultámos hoje as ocorrências desse dia e NÂO HÁ QUALQUER REGISTO DE ATIVIDADE DE SALVAMENTO DE ANIMAIS. quem nos pediu ajuda descreveu o gatinho como sendo pequeno e bege. Temos o maior respeito pelas forças da paz. Tantos excelentes exemplos que vemos quase todos os dias deixam-nos esperançados, mas este caso levanta-nos duvidas muito concretas e precisamos perceber o que se passou. Nâo vale a pena vir dizer que queremos enxovalhar os bombeiros. Pelo contrário, só queremos a VERDADE que enobrece a todos.Assim, exortamos os responsáveis a publicar um esclarecimento cabal e fundamentado das ocorrências quer do dia 15 quer do dia de ontem.—————————————————————————————————-COMUNICADO DA ALAAR EM RELAÇÃO À OCORRÊNCIA DE BUSCA E RESGATE DE ANIMAIS, na AVENIDA ANTÓNIO FEIJÓ, na freguesia de Arca e Lima da vila de PONTE DE LIMA, no dia 20 de junho entre as 18.41 e as 19.09 – (entre a hora de saida do quartel e a hora de conclusão da ocorrência temos um intervalo de 28 minutos), segundo registo da Associação Nacional de Proteção Civil (foto anexa)Desde o final do dia, a ALAAR e outras Associações, como o GIRA, foram recebendo inúmeras mensagens pedindo a nossa atenção e denúncia para um video que circulou durante duas horas no Facebook de um "resgate" de um gato empoleirado numa árvore. Os Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima, ainda segundo o Registo da ANPC (Proteção Civil) deslocaram ao local 4 (QUATRO) PESSOAS – BOMBEIROS e PSP(recursos humanos terrestres) e 2 recursos técnicos terrestres – sendo uma identificada no video como uma viatura ligeira de bombeiros. Acrescentamos também que dos testemnunhos que recebemos, ningué se lembra de ver lá agentes da PSP, o que não conseguimos ainda confirmar.QUESTÕES QUE NOS SUSCITAM A ATUAÇÃO DO(S) BOMBEIRO(S):1 – No presente video que aqui publicamos, vemos apenas um bombeiro a lançar água com mangueira de alta pressão sobre o gato. Havendo 4 recursos humanos presentes no local seria de esperar que no mínimo, tivesse sido colocada uma REDE PARA AMPARAR A QUEDA DO ANIMAL que, como se ouve claramente, foi seca e brutal no pavimento. Onde estão os outros 3 elementos? O que estão a fazer? sendo previsiível a queda do animal que mediadas foram tomadas?2 – É este o procedimento comum inicial para resgatar um gatinho (animal doméstico protegido pela lei contra abusos e maus-tratos contra animais de companhia) assustado de uma árvore? Dada a curta duração da ocorrência – 28 minutos no total – é razoável concluir que este foi o único procedimento executado e não uma solução final, após tentativas com métodos não violentos. Será este um procedimento de acordo com a lei e o código deontológico dos soldados da paz que tanto prezamos e a quem tanto devemos?3 – Perante os gritos e protestos dos assistentes, não houve uma reflexão sobre o método utilizado que perturbou afinal as pessoas presentes? Os outros 3 meios humanos mobilizados não interpelaram ou ajudaram com meios acessórios a atuação do bombeiro com a mangueira porquê?4 – O que levou a pessoa que filmou e a pessoa que publicou a retirar o video das redes sociais após sensivelmente 2 horas e milhares de visualizações, dificultando a identificação do bombeiro presente? Segundo relatos que nos foram feitos por muitas mensagens recebidas, os mesmos terão recebido "pedidos" para retirar o video das redes sociais. Porquê?5 – Vem posteriormente uma senhora R.A. mostrar a foto de um gatinho em perfeito estado. Perante as questões de qual o local onde o gatinho foi assistido, declara que a veterinária municipal se dirigiu expressamente ao quartel dos bombeiros e o observou? Fê-lo fora do seu horário de trabalho e a pedido expresso dos bombeiros? Existe um relatório sobre o estado de saúde do animal OU NÃO LHE ACONTECEU NADA???? Todos conseguimos ouvir o barulho do embate em seco. Nâo houve qualquer traumatismo, hemorragia, fratura? Em outra publicação, a mesma senhora afirma que o gatinho tem fratura do maxilar. Foi assistido?6 – Se, como é afirmado posteriormente por R.A. o bombeiro em questão estava muito perturbado com o sucedido, " notei que o sr estava ancioso por isso, acreditem ou nao o gatinho foi sem medo, trepou por o peito do sr, como a abraca-lo e miou, acho que isto diz tudo.", porque não foi ele socorrê-lo de imediato no momento da queda e pelo contrário, virou costas logo após a queda? E um gato após uma queda com o embate que se ouve daquela forma "trepa sem medo a abraçar e mia"?????7 – Diz ainda R. A. " explicou-me o procedimento que costumam utilizar, quando usam as escadas eles fogem..então usam o método da mangueira para o gato se assustar e descer" quando usam as escadas eles fogem para onde? Pelo tronco abaixo? Nâo é isso que se espera? E o "método" da mangueira é para o gato se assustar e descer? Pelo tronco abaixo? Com um jacto de água fortíssimo em direção ao próprio gato, não será claramente para ele cair? E isso é um "método"?Mais questões iremos levantar para apurar a verdade dos factos. Quer os bombeiros, quer os veterinários são profissionais demasiado preciosos à sociedade e precisamos confiar no seu discernimento.Agradecemos desde já todas as mensagens de alerta sobre o caso, inclusive de BOMBEIROS indignados com o que viram.-Apelamos ao jovem da camisola azul no video que nos contacte por mensagem privada ou email – alaarpl@gmail.com – e nos ajude a perceber a realidade do momento.-Apelamos também a todas as outras pessoas que assistiram ou tenham informações relevantes sobre o local, como e com quem foi transportado o gatinho que nos enviem essas informações por mensagem privada.- Apelamos a que nos confirmem a identidade dos vários bombeiros e polícias presentes no local e das testemunhas que queiram participar no apuramento dos factos.A ALAAR e o GIRA não tiraram ainda conclusões finais, mas tudo farão para apurar a verdade dos factos e, encontrando procedimento ilícito, intencional ou negligente, para procurar que a lei seja cumprida.Podem enviar mensagem privada aqui no Facebook ou email para alaarpl@gmail.com asseguramos que todos aqueles que o desejem terão a sua identidade preservada. Aliás a identificação é necessária, caso os facto configurem maus-tratos ou negligência grave contra animais, é um crime público e as denúncias podem ser anónimas.E não deixemos dúvidas: somos extremamente reconhecidos a todos os bombeiros e veterinários que neste país, neste distrito e neste concelho desempenham um honroso papel de defesa da vida.

Posted by Alaar – Associação Limiana dos Amigos dos Animais de Rua on Wednesday, June 20, 2018

O resgate decorreu esta quarta-feira, entre as 18h41 e as 19h09, na Avenida António Feijó, em Ponte de Lima, referiu a Associação Limiana dos Amigos dos Animais de Rua (ALAAR) numa publicação no Facebook. Nessa publicação, a associação critica a atuação dos bombeiros e apela a que todas as testemunhas no local possam fornecer informações sobre o sucedido. “A ALAAR e o GIRA não tiraram ainda conclusões finais, mas tudo farão para apurar a verdade dos factos e, encontrando procedimento ilícito, intencional ou negligente, para procurar que a lei seja cumprida.”

Posted by Alaar – Associação Limiana dos Amigos dos Animais de Rua on Wednesday, June 20, 2018

A dona do gato, por sua vez, elogiou o trabalho do bombeiro e garantiu que o gato se encontra bem de saúde. Mas até isso a ALAAR questiona. “Vem posteriormente uma senhora R.A. mostrar a foto de um gatinho em perfeito estado. Perante as questões de qual o local onde o gatinho foi assistido, declara que a veterinária municipal se dirigiu expressamente ao quartel dos bombeiros e o observou? Fê-lo fora do seu horário de trabalho e a pedido expresso dos bombeiros? Existe um relatório sobre o estado de saúde do animal ou não lhe aconteceu nada? Todos conseguimos ouvir o barulho do embate em seco. Não houve qualquer traumatismo, hemorragia, fratura?”, questiona a associação na publicação da rede social.