O atleta etíope Gizaw Bekele Megerssa, vencedor da última edição da maratona de Madrid, e cinco outras pessoas, foram detidos na semana passada por suspeitas de doping, noticia o jornal espanhol El País. As detenções ocorreram durante uma operação anti-doping realizada em simultâneo em Calatayud, Madrid e Valencia.

Entre os atletas detidos encontram-se ainda o atleta etíope Abebe Mulugeta, o espanhol Rachid Nadji e a sua mulher, Malika Asahssah, e ainda os marroquinos Said Ataddi e Fátima Ayachi. Porém, todos já foram colocados em liberdade depois de terem sido interrogados — mas o caso, intitulado Operação Relevo, continua a ser investigado.

Nas casas que foram investigadas pela polícia foram encontradas várias substâncias, como Eprex, hormonas de crescimento, insulina e testosterona. Foram também encontrados materiais para o consumo destas substâncias — materiais esses que, segundo escutas telefónicas, eram chamados “cenouras”, para as seringas, e “ervilhas”, para os comprimidos.

As pistas que a polícia espanhola seguiu para chegar a estas detenções vêm já de casos anteriores, remontando pelo menos a 2012, ano da chamada Operação Skype, que envolveu o campeão olímpico Rachid Ramzi, e da Operação Chamberí, que levou à detenção do campeão europeu Ilias Fifa.