Na antecâmara de uma Assembleia Geral que promete ser marcante no futuro a breve e médio prazo do Sporting, Jaime Marta Soares, presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral dos leões, já começou a receber requerimentos tendo em vista a reunião magna deste sábado no Altice Arena, numa perspetiva de apresentação e votação no arranque da sessão.

Num desses requerimentos, a que o Observador teve acesso, é pedido ao líder da Mesa que, “no cumprimento do disposto no ponto dois do artigo 41.º dos estatutos do Sporting Clube de Portugal (…) se digne a apresentar o calendário eleitoral para a eleição da Mesa da Assembleia Geral, Conselho Fiscal e Disciplinar e Conselho Diretivo, este à condição da aprovação do ponto dois da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral”, que diz respeito à destituição dos membros do Conselho Diretivo.

“O delicado momento que o clube atravessa exige que todos os contornos, decisões e ações futuras a diligenciar por parte da Mesa da Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal sejam a priori conhecidos, para que, de forma esclarecida, os associados presentes possam decidir sobre o futuro do Sporting Clube de Portugal, na proposta de revogação coletiva, com justa causa, do mandato dos atuais elementos do Conselho Diretivo, prevista no pontos dois da Ordem de Trabalhos”, diz. Ou seja, a intenção é que, antes que tudo comece a acontecer, esteja apresentado o cenário do futuro em termos eleitorais.

De referir que a reunião magna do clube verde e branco, com início marcado para as 14 horas, terá apenas dois pontos na ordem de trabalhos: análise da situação do clube e prestação de esclarecimentos aos sócios, nos termos dos pedidos do Conselho Diretivo a 16 de maio de 2018; e deliberar sobre a revogação coletiva, com justa causa, do mandato de Bruno de Carvalho, Carlos Vieira, Rui Caeiro, José Quintela, Luís Roque, Luís Gestas e Alexandre Godinho, os sete elementos da Direção.

Jaime Marta Soares: “Será uma AG serena” e com uma “votação transparente e rigorosa”

De referir que, na conferência de imprensa realizada no Altice Arena esta quinta-feira, na antecâmara da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares voltou a garantir que haverá sempre eleições em setembro, restando apenas saber se para dois ou três órgãos. “Não há desejos de esquerda ou direita, o nosso desejo é que os sócios possam decidir pela continuidade ou não da Direção. Não há guerras da Mesa nem do presidente, não fazemos parte de grupos. Não sou candidato a nada. Julgo que nenhum dos meus colegas o é. Se os sócios decidirem pela continuidade, à Mesa só resta marcar eleições para a Mesa e para o Conselho Fiscal e Disciplinar. Eleições há sempre, só se levanta a questão se é para dois ou três órgãos. Qualquer que seja o resultado, no prazo que está estabelecido, até meados de setembro, serão feitas eleições no Sporting”, destacou o líder demissionário.

“Estamos num país democrático, onde o Direito impera. Estamos sujeitos às leis da República e são para se cumprir. Espero que seja esse o entendimento do presidente Bruno de Carvalho, de cumprir os estatutos. Se os sócios decidirem a sua destituição, julgo que ele vá aceitar a vontade dos sócios, nem outra coisa me passa pela cabeça. Com certeza que vai aceitar a decisão dos sócios. E depois poderá recandidatar-se, se tiver as quotas em dia e se quiser”, acrescentou Marta Soares a esse propósito.