Venezuela

ONU. Forças venezuelanas mataram centenas de pessoas no ano passado

139

Relatório do alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos acusa o regime de matar, torturar e deixar à fome os seus cidadãos. Estado de direito é "virtualmente inexistente".

CRISTIAN HERNANDEZ/EPA

Autor
  • Nuno André Martins

As forças de segurança da Venezuela mataram centenas de pessoas arbitrariamente em protestos de abril a junho de 2017, sob o argumento de que estariam a combater o crime, frequentemente em partes mais pobres do país. A denúncia vem num relatório das Nações Unidas, que cita ainda episódios de tortura e uma sucessão de violações dos direitos humanos nos últimos três anos.

Não é a primeira vez que as Nações Unidas apontam o dedo ao regime de Nicolás Maduro. Agora, um ano depois do último relatório, o alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos cita relatos de centenas de pessoas a serem assassinadas durante operações policiais, pessoas torturadas em interrogatórios depois de serem detidas sem razão aparente e uma falta de respeito generalizada pelos direitos humanos dos cidadãos venezuelanos.

As Nações Unidas dizem que ninguém parece estar a ser responsabilizado no país por estas mortes, nem pelos restantes crimes, sugerindo que o Estado de Direito é “virtualmente inexistente” na Venezuela.

A ONU “identificou um padrão de uso de força desproporcionado e excessivo pelas forças de segurança nestas operações [alegadamente com o objetivo de reduzir o crime], que resultaram num elevado número de mortes que podem constituir execuções extrajudiciais”, pode ler-se no relatório publicado esta sexta-feira.

Segundo as autoriadades, terão morrido mais de 500 pessoas nos confrontos, entre os quais 24 crianças.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)