Rádio Observador

CTT

CTT têm de reduzir preços em 0,085 pontos percentuais até 01 de outubro

Os CTT vão ter de reduzir em 0,085 pontos percentuais os preços em vigor este ano devido ao incumprimento de dois indicadores de qualidade do serviço postal universal, anunciou o regulador Anacom.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os CTT vão ter de reduzir em 0,085 pontos percentuais os preços em vigor este ano devido ao incumprimento de dois indicadores de qualidade do serviço postal universal pelo menos durante três meses, anunciou esta segunda-feira o regulador Anacom. Em comunicado, a Autoridade Nacional de Comunicações adianta que, nos termos da sua decisão, “adotada depois da audiência prévia ao prestador do serviço postal universal [CTT], estes novos preços terão que estar em vigor pelo menos durante três meses”.

Tendo em conta que a atualização dos preços aplicada pelos CTT – Correios de Portugal tinha sido de 4,5%, a variação média ponderada dos preços do cabaz de serviços de correspondências, encomendas e correio editorial, “não poderá agora ultrapassar os 4,415%”, refere a Anacom.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/lucro-dos-ctt/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”136″ slug=”lucro-dos-ctt” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/lucro-dos-ctt/thumbnail?version=1501858302834&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

“Esta redução de preços decorre da aplicação do mecanismo de compensação, que tem lugar quando não são cumpridos os indicadores de qualidade do serviço postal universal. Está ainda previsto na lei que a redução de preços beneficiará a universalidade dos utilizadores daqueles serviços”, recorda o regulador.

A Anacom recorda que “este é o segundo ano consecutivo em que os CTT não conseguem cumprir a totalidade dos 11 indicadores de qualidade do serviço postal universal a que estão obrigados”. Em 2016, os CTT não tinham cumprido o valor mínimo fixado para o indicador do ‘correio normal não entregue até 15 dias úteis’, o que levou o regulador a aplicar o mecanismo de compensação e consequente redução de preços.

No ano passado, os Correios de Portugal não cumpriram os indicadores de ‘demora de encaminhamento no correio azul no continente’ e ‘demora no encaminhamento no correio transfronteiriço intracomunitário’. No caso do primeiro indicador, está estabelecido que, no mínimo, 93,5% do correio azul permutado entre qualquer ponto do continente deve ser entregue até ao dia útil seguinte ao do seu depósito num ponto de receção de correio dos CTT, muito embora o objetivo é que tal aconteça em 94,5% dos casos.

No entanto, os CTT apenas conseguiram entregar nesse prazo 91,4% do correio, violando quer o mínimo quer o objetivo, ou seja, cerca de dois milhões de cartas do correio azul demoraram mais de um dia útil a ser entregues, refere a Anacom.

Relativamente ao indicador ‘demora no encaminhamento no correio transfronteiriço intracomunitário’ está previsto que, no mínimo, 85% do tráfego de cartas transfronteiriças intracomunitárias, enviadas de e para Portugal na modalidade correio internacional de primeira velocidade, seja entregue até três dias úteis depois do seu depósito num ponto de receção de correio, sendo que o objetivo definido é que tal aconteça em 88% dos casos.

Ora, “apenas 82,6% do tráfego deste correio foi entregue nesse prazo, ou seja, cerca de 4,5 milhões de cartas no âmbito do correio transfronteiriço com origem ou destino em Portugal foram entregues fora do prazo”, acrescenta.

“Uma vez que a importância relativa daqueles dois indicadores de qualidade de serviço corresponde a 8,5%, a dedução a aplicar é de 0,085 pontos percentuais”, tendo que ser aplicada pelos CTT até 01 de outubro deste ano e pelo período mínimo de três meses.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)