O Observador já tinha confirmado, mas agora já é mesmo oficial: Lisboa vai receber a 21 de novembro a próxima gala de entrega das estrelas Michelin Portugal e Espanha. A cerimónia vai decorrer no Pavilhão Carlos Lopes, junto ao Parque Eduardo VII, indicou a organização esta segunda-feira, numa conferência de imprensa no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Lisboa.

Para muitos dos cozinheiros que estiveram presentes — como Miguel Rocha Vieira (Fortaleza do Guincho), João Rodrigues (Feitoria), Sergi Arola (LAB by Sergi Arola), José Avillez (Belcanto), Henrique Sá Pessoa (Alma), Joachim Koerper (Eleven) e Alexandre Silva (Loco) –, esta novidade é o realizar de um sonho, já que esta será a primeira vez que uma cerimónia oficial deste guia é realizada em solo português. “Estive a cozinhar na primeira gala de sempre, em Madrid, e enche-me de orgulho poder voltar a fazer o mesmo agora aqui e Lisboa”, confessou o chef espanhol (mas que vive em Sintra) Sergi Arola.

“A Michelin já me tinha dado uma surpresa muito grande e feliz ao atribuir uma estrela ao Loco quando ainda nem tínhamos um ano de funcionamento, agora voltou a fazer o mesmo”, acrescentou Alexandre Silva, enquanto José Avillez destacou que “é um orgulho muito grande”.

Nas palavras do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, este será um evento “que trará um enorme retorno para o país”, dada a exposição mediática inerente à cerimónia.

O facto de Lisboa acolher a Gala do guia Michelin é uma grande notícia, que vem confirmar o esforço que está a ser realizado para valorizar a gastronomia, assim como a aposta decidida nos produtos locais enquanto base dessa cozinha, e no reconhecimento do trabalho dos nossos chefs, que são grandes embaixadores pelo sucesso da gastronomia nacional, mas também dos nossos produtores, agricultores e pescadores”, disse.

Já Fernando Medina, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, afirma que este evento faz com que “a cidade se posicione como um destino gastronómico de primeiro nível”, ao mesmo tempo que “reconhece o trabalho que há anos tem vindo a ser desenvolvido para colocar a gastronomia [portuguesa] e os seus profissionais no lugar que merecem”.

Sobre o investimento realizado nesta cerimónia, Caldeira Cabral afirmou que o dinheiro público injetado deverá superar ligeiramente os 400 mil euros, mas que o total (incluindo a parte privada) pode ser bem superior a esse montante.

O Pavilhão Carlos Lopes, portanto, deverá encher-se dos maiores nomes da gastronomia ibérica para o desvendar dos ambicionados galardões. No final da cerimónia haverá um jantar de gala onde poderão ser provadas criações dos sete restaurantes com estrela da região de Lisboa (os mesmos que estiveram presentes nesta apresentação).

Mayte Carreño, a diretora-comercial da Michelin Travel Partner España Portugal, afirmou que “o compromisso das instituições públicas e privadas para com o turismo, a qualidade da gastronomia e a aposta na excelência tornaram Lisboa no local ideal para acolher esta grande festa gastronómica”.