Crise dos Refugiados

O ministro do interior italiano deslocou-se a Tripoli para discutir a crise migratória

O ministro do Interior italiano, Mateo Salvini, deslocou-se esta manhã para a capital da Líbia, Tripoli, para discutir o combate ao fenómeno migratório e renegociar os acordos existentes.

Getty Images

O ministro do Interior Italiano, Mateo Salvini, conhecido pela sua postura crítica de acolhimento de refugiados, deslocou-se esta manhã para a capital da Líbia, Tripoli, para se encontrar com o presidente líbio, Fayez Al Sarraj. Este encontro, de acordo com o jornal El País, serve para discutir o combate ao fenómeno migratório, tentar que a Líbia seja o primeiro tampão contra vaga de migrantes que chega à costa de Itália e renegociar os acordos concretizados pelo seu antecessor, Marco Minniti.

Os rumores sobre esta viagem foram aumentando nos últimos dias, porém, o Ministro do Interior não os quis confirmar, fazendo o anuncio oficial através da sua conta de facebook.

Posted by Matteo Salvini on Sunday, June 24, 2018

Horas mais tarde, Salvini, partilhou no Facebook um video com o presidente líbio, Fayez Al Sarraj, em que propõe a criação de “centro de processamento” no sul da Líbia para evitar que o país se torne “um funil, como acontece em Itália”. Momentos mais tarde, o vice-presidente líbio, Ahmed Maitig, afirmava que a Líbia “não é um problema, mas sim uma oportunidade de desenvolvimento”.

Numa entrevista ao diário La Repubblica, Ahmed Maitig, já tinha afirmado que a cooperação entre a Líbia e Itália era “decisiva”, sublinhando que o fenómeno da migração também é “um problema importante” para o seu país.

Ci sono Paesi europei, tra cui la Francia, che propongono la creazione di hotspots dell'accoglienza in Italia: questo sarebbe un problema per noi e per la Libia stessa perché i flussi della morte non verrebbero interrotti. Noi invece abbiamo proposto dei centri di accoglienza posti ai confini a Sud della Libia per evitare che anche Tripoli diventi un imbuto, come l'Italia.

Posted by Matteo Salvini on Monday, June 25, 2018

Com o novo Governo de Itália, composto pelo Movimento Cinco Estrelas e a Liga Norte impulsionaram a estratégia para impedir a entrada nos seus portos das ONG que salvam vidas em alto mar e só aceitarão imigrantes resgatados pela Marinha italiana. Salvini considera que os traficantes na Líbia se aproveitam da presença das ONG e enriquecem mandando em barcos os imigrantes que tentam chegar à Europa.

Recorde-se que a política realizada por Marco Minniti, antigo ministro italiano do interior,  há cerca de um ano apresentou bons resultados reduzindo em 80% o número de embarcações que chegaram à costa italiana. Nesse sentido, estas negociações devem significar um aumento de recursos económicos e logísticos para a líbia para que esta assuma o resgate de embarcações e que, acima de tudo, impeça a sua saída.

A Líbia é um dos países mais utilizados como ponto de partida para as embarcações de migrantes e refugiados que pretendem vir para a Europa desde a queda do ditador Muammar al-Gaddafi em 2011.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)