A Ordem dos Notários repudiou, esta segunda-feira, em comunicado, as “insinuações” de Bruno de Carvalho sobre o trabalho de um notário que esteve presente na assembleia-geral do Sporting, no último sábado. O organismo pede ao presidente destituído que tenha “consciência da responsabilidade que acarreta o mediatismo das suas funções” e lembra que alguém com essas responsabilidades “não pode, de forma inimputável, colocar em causa as instituições públicas!”.

No comunicado, a Ordem dos Notários repudia “a insinuação proferida pelo Dr. Bruno de Carvalho no sentido de que o notário iria adulterar a ata da Assembleia-geral, e mencionar na mesma factos falsos”.

Bruno de Carvalho tinha dito, também, que “esta AG está ferida de tudo”. “Não foi marcada pelos artigos corretos dos estatutos. Não teve os votos que eram necessários para uma AG destituitiva, independentemente de dizerem que há um notário que os tem. Posso dizer aos sportinguistas que nenhum notário conseguiria fazer essa confirmação e mesmo para os serviços não seria fácil. Cerca de 75% desses votos tinham de estar na AG e não os vi lá. Por último, há um problema formal grave. Os estatutos dizem que uma AG para ser válida tem de ser anunciada no jornal Sporting e não foi”, disse Bruno de Carvalho à TSF.

A Ordem dos Médicos garante que as declarações “pouco precisas” ou “erróneas” de Bruno de Carvalho levaram a que fosse tomada a iniciativa de emitir este comunicado. “O Dr. Bruno de Carvalho pode, como qualquer outro cidadão, apresentar junto da Ordem dos Notários as suas queixas referentes ao notário em causa, mas não pode questionar, sem qualquer fundamento, a dignidade profissional de quem está a exercer funções públicas”.