Pelo menos 104 pessoas morreram de cólera nos últimos quatro meses, na província de Kasai Oriental no centro da República Democrática do Congo, anunciaram hoje fontes governamentais.

“O Ministério da Saúde enviou equipamentos contra a cólera para instalar um centro de tratamento em Mbuji-Mayi (localidade que registou mais mortes)”, afirmou Jessica Ilunga, porta-voz daquele departamento governamental. Já foram registados 133 casos neste surto de cólera, situação clínica que provoca diarreia, vómitos e desidratações.

Ilunga indicou como causas deste mais recente surto a má qualidade da água de Mbuji-Mayi. O Governo regional de Kasai Oriental teme uma propagação da epidemia, procurando por isso sensibilizar a população sobre as medidas de prevenção e higiene.

O pior surto de cólera da República Democrática do Congo nos últimos 20 anos ocorreu em 2017, ano em que se registaram 1.190 mortos e 55.000 casos, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O país enfrenta também uma recente epidemia de ébola, que embora segundo a OMS tenha sido “contida em grande parte”, matou 28 pessoas até ao momento.

Segundo os últimos dados, nas três áreas do noroeste do país afetadas pelo surto de ébola, as zonas rurais de Bikoro e Iboko, e a urbana de Mbandaka, foram registados 38 casos confirmados, 14 prováveis e três suspeitos.