Rádio Observador

DECO

DECO Proteste. Jumbo é a cadeia de supermercados com preços mais baixos

1.120

Avaliação da DECO Proteste conclui que Jumbo pratica os preços mais baratos, sobretudo no centro do país, seguida por Continente e Pingo Doce. Intermarché, Minipreço e Lidl são os mais caros.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Jumbo é a cadeia de supermercados com os preços mais baixos entre as grandes superfícies comerciais em Portugal continental, revela um estudo da DECO Proteste que analisou quase 600 lojas em 70 concelhos. Segundo o estudo, hoje divulgado, pela terceira vez consecutiva o Jumbo lidera a tabela dos preços mais baixos e a região Centro não é exceção, já que esta cadeia de supermercados aparece como melhor opção em concelhos como Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal e Viseu.

Dos 106.536 preços de 243 produtos analisados em 591 lojas de Portugal entre janeiro e março deste ano, a Deco elaborou um cabaz com produtos de marca branca (38%) e de marca de fabricante (62%), seguindo a tendência de consumo das famílias portuguesas.

No estudo divulgado, a associação fez as contas para dois perfis de consumidor – quem gasta 150 euros por mês em supermercado e quem vai até aos 400 euros – e conclui que os que mais gastam são os que mais poupam, com o valor máximo de poupança a ser conseguido em Santarém, onde tanto se podem fazer bons negócios como desperdiçar quase 590 euros/ano, no caso do carrinho com o consumo mais elevado.

No anterior estudo da DECO Proteste, divulgado em março, o Jumbo também liderava a lista dos supermercados com preços mais baixos. Contudo, segundo um inquérito online incluído neste estudo, o Jumbo e o Pão de Açúcar são opção apenas para 6% dos participantes e quase metade revela escolher o Continente na hora de fazer o maior volume de compras.

“Não será, contudo, a existência de um cartão de descontos a fazer pender os pratos da balança para o Continente, já que apenas um terço dos inquiridos afirma seguir as promoções dos supermercados à risca”, refere a DECO. Atrás do Jumbo, posicionam-se as cadeias Continente e Continente Modelo, onde os preços são, em média, 2% mais caros, mas a presença territorial é muito forte em todo o País, incluindo em regiões com menos população, como o Interior, os Açores e a Madeira.

A cadeia de supermercados Pingo Doce, também muito disseminada pelo País, fecha o pódio, com um patamar de preços 6% mais elevado do que o praticado pelo líder. As cadeias mais caras do ‘ranking’ da DECO são o Intermarché, o Minipreço e o Lidl, nos dois últimos casos muito por culpa dos frescos.

“Muitas vezes, carne e peixe são da responsabilidade de agentes externos à marca e têm preços mais elevados. Já nos produtos de mercearia e drogaria, melhoram bastante os resultados: o Lidl obtém inclusive uma posição ligeiramente superior à do Pingo Doce”, refere o estudo.

O trabalho da DECO indica ainda que os supermercados Jumbo ganham em toda a linha, com os melhores preços para o consumidor tanto nos produtos frescos como nos congelados, assim como na mercearia e nos produtos de higiene pessoal e do lar. O Jumbo lidera os preços baixos nas lojas físicas e é também o mais barato na Internet. Na tabela das vendas online, o Jumbo é seguido pelo Continente e na terceira posição surge o Intermarché.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)