Justiça

Ex-bancária acusada de desviar 655 mil euros conhece hoje a sentença em Coimbra

Uma ex-bancária do BCP de Vila Nova de Poiares, acusada de desviar 655 mil euros de contas de clientes entre 2003 e 2010, conhece hoje a sentença do coletivo de juízes do tribunal de Coimbra.

PEDRO FERRARI/Lusa

Uma ex-bancária do BCP de Vila Nova de Poiares, acusada de desviar 655 mil euros de contas de clientes entre 2003 e 2010, conhece hoje a sentença do coletivo de juízes do tribunal de Coimbra, às 16h00. A arguida, de 44 anos, é acusada pelo Ministério Público de desviar 655 mil euros de contas de clientes, especialmente idosos e emigrantes, entre 2003 e 2010, sendo que, no início do julgamento, confessou a grande maioria dos factos, à exceção da participação do ex-marido no esquema, que também está constituído como arguido.

A arguida explicou ao coletivo que os desvios serviam para alimentar a compra compulsiva de bens materiais, referindo que estava numa fase da vida em que passou a consumir muito álcool, automedicava-se e tinha várias crises (depois do sucedido foi-lhe diagnosticada a doença bipolar).

Na acusação a que a agência Lusa teve acesso, é possível verificar que a suspeita dos desvios fazia vários levantamentos de 400 euros e várias compras de centenas de euros em lojas de roupa, ourivesarias ou perfumarias. “A minha mãe é que tomava conta do meu filho, porque eu deixava tudo para trás para ir às compras. Não havia um dia em que não tivesse de ir a algum lado fazer compras”, sublinhou a arguida durante o julgamento.

Também durante o início do julgamento, o ex-marido disse em tribunal aquilo que a arguida já tinha dito: Que não sabia de nada. “Eu quero tentar perceber como é que é possível não se aperceber de nada. As compras, as obras na casa, fizeram uma piscina, compraram carros e não se apercebeu de nada?”, questionou a juíza.

A arguida é acusada de um crime de falsidade informática, um crime de abuso de confiança qualificado, um crime de subtração de documento, um crime de falsificação de documento e um crime de branqueamento de capitais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Danos do divórcio e direito à indemnização

Nuno Cardoso Ribeiro
634

Hoje o processo judicial de divórcio não admite pedidos indemnizatórios sendo necessária uma acção cível e reviver factos e episódios que se prefere esquecer. Este regime todos os dias cria injustiças

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
2.378

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)