Rádio Observador

Aeroporto de Lisboa

Sindicatos e Groundforce juntos em reuniam sobre as agressões no aeroporto de Lisboa

Os sindicatos e a administração da Groundforce decidiram participar juntos na reunião pedida com o Ministério da Administração Interna, na sequência das repetidas agressões a trabalhadores.

Miguel A.Lopes/LUSA

Os sindicatos e a administração da Groundforce decidiram participar juntos na reunião pedida com o Ministério da Administração Interna (MAI), na sequência das repetidas agressões a trabalhadores junto das portas de embarque.

A Groundforce informou a agência Lusa que todos, incluindo os seis sindicatos representantes dos trabalhadores, estão “absolutamente alinhados quanto ao diagnóstico e às ações que consideram necessárias: aumento do efetivo policial e alteração do enquadramento legal da agressão ao agente aeroportuário”. “O que ficou combinado foi, juntos – empresa e representantes dos sindicatos – deslocarem-se à audiência com o ministro da Administração Interna, que foi pedida na sexta-feira quando esta for agendada”, segundo fonte oficial da empresa, dias depois de se repetirem agressões a trabalhadores.

Em declarações à Lusa, o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava), Fernando Henriques, informou hoje que no fim de semana registaram-se três casos de agressões, duas das quais no domingo, “sempre em voos TAP”. “Os problemas hoje são diários e no domingo, pela primeira vez, houve duas agressões no mesmo dia. Está a haver uma escalada de violência e é inevitável que haja reações das entidades responsáveis: do aeroporto, da PSP”, disse.

Segundo o dirigente sindical, a companhia aérea tem repetido situações de ‘overbooking’ (venda legal de mais bilhetes do que lugares disponíveis) e de cancelamentos. “Estamos a falar de um barril de pólvora e de um cocktail explosivo porque em condições normais, com os voos todos a fazerem-se, a maioria está em ‘overbooking’. Agora imagine-se com 10% da operação cancelada, como foi no domingo, com mais de 40 voos cancelados, potencia-se as irregularidades e as altercações”, assinalou à Lusa.

O sindicalista notou as dificuldades dos passageiros entenderem que o funcionário que “dá a cara” nem é da TAP, mas da Groundforce, apesar de envergar a farda ser da transportadora nacional.

Fernando Henriques defendeu também que o aumento do número de passageiros e da operação deve levar a um “aumento das condições de segurança dos trabalhadores e das instalações”, recordando o caso da “agressão grave” em que uma funcionária foi projetada contra uma porta de emergência que dá acesso à placa do aeroporto. Essa funcionária foi agredida no dia 17, “esteve umas horas largas no hospital” e “acabou por ficar em baixa psicológica durante uns dias”.

Ao seu telefone têm chegado mensagens de trabalhadores a “manifestarem receio”, sobretudo quando são escalados para assistência a portas de embarque de voos em ‘overbooking’.

No imediato, o Sitava quer que “seja tomada uma medida excecional que eleve o nível de ameaça e de segurança do aeroporto de Lisboa, através de um reforço de meios, com outros efetivos policiais”.

Na semana passada, o sindicato tinha já revelado o registo de “mais de uma dezena de episódios” desde o início do ano.

A Lusa aguarda comentários da ANA e da PSP de Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)