Rádio Observador

Joana Vasconcelos

Joana Vasconcelos expõe no Museu Guggenheim de Bilbau a partir de sexta-feira

A exposição pode ser visitada até 11 de novembro e tem uma seleção de trinta obras realizadas entre 1997 e a atualidade da mais internacional dos artistas portugueses da geração de Joana Vasconcelos.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Museu Guggenheim de Bilbau (Espanha) apresenta, a partir de sexta-feira, a exposição “Sou o teu espelho” da artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos, conhecida internacionalmente pelas suas obras em grande dimensão de objetos da vida quotidiana.

A exposição, que pode ser visitada até 11 de novembro, tem uma seleção de trinta obras realizadas entre 1997 e a atualidade da mais internacional dos artistas portugueses da geração de Joana Vasconcelos, que nasceu em Paris, em 1971.

A mostra inclui 14 obras inéditas, entre elas a instalação de grande dimensão “Egeria”, concebida especificamente para ficar suspensa no pátio central (átrio) do museu, onde irá interagir com os complexos espaços desenhados pelo arquiteto do edifício, o norte-americano, nascido no Canadá, Frank Gehry.

Esta obra monumental, caracterizada pelas “suas inusuais formas orgânicas”, é considerada pelo museu como “uma das mais ambiciosas” da “importante” série Valquírias, que Vasconcelos criou inspirando-se em imagens femininas da mitologia escandinava, e será, “sem dúvida, um dos maiores atrativos da mostra”. “Através da construção de imagens chocantes, festivas e diretas que se referem a assuntos sociopolíticas próprios das sociedades consumidoras, pós-coloniais e globalizadas, Joana Vasconcelos aborda temas que vão desde a imigração até a violência de género”, considera o museu na apresentação da artista portuguesa.

A exposição inclui outras obras inéditas de grande impacto visual, como “I’ll be your mirror” (“Eu serei o teu espelho”), uma enorme máscara veneziana formada por molduras em bronze com espelhos. O nome da exposição, “I’m Your Mirror”, é uma homenagem à célebre cantora alemã “Nico” (Christa Päffgen), que interpretou a canção “I’ll be you Mirror” (1967), escrita por Lou Reed e interpretada com o mítico grupo musical de Nova York The Velvet Underground.

A exibição começa com algumas peças emblemáticas dos primeiros anos da carreira de Joana Vasconcelos, como “Cama Valium” (1998), “Burka” (2002) e “A Noiva” (2001-2005), em que a artista aborda questões relacionadas à identidade feminina, tanto na esfera privada como na esfera política e social. A mostra inclui alguns de seus trabalhos mais recentes, como “Marilyn” (2009-2011), Lilicoptère (2012), A Todo o Vapor (2012) e Call Center (2014-2016)

No exterior do museu vão estar instaladas duas obras: o já conhecido Pop Galo (2016) e o inédito “Solitário”, um anel de noivado gigante, feito com jantes de automóveis de luxo e copos de uísque, num trabalho que conjuga dois dos símbolos mais estereotipados do desejo feminino e masculino.

O Museu Guggenheim de Bilbau, na Comunidade Autónoma do País Basco (norte de Espanha), é uma sala de exposição privada inaugurada em 1997, com uma arquitetura inovadora caraterizada por formas curvas e retorcidas, cobertas por calcário, vidro e titânio.

O museu, que recebe mais de um milhão de visitantes por ano, rapidamente se tornou na imagem mais icónica de Bilbau, tendo contribuído de forma decisiva para a transformação e modernização da que, até à altura, era considerada uma cidade industrial e decadente.

O ministro da Cultura de Portugal, Luís Filipe Castro Mendes, vai estar na quinta-feira, ao fim do dia, na sessão de inauguração da exposição, que abre ao público no dia seguinte.

A exposição de Joana Vasconcelos vai coincidir, entre outros, com uma do pintor surrealista Marc Chagall – “Chagall. Os anos decisivos, 1911–1919” -, que até 02 de setembro também vai estar no Museu Goggenheim de Bilbau.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)